O reaquecimento da economia e a proximidade das festas de fim de ano ampliam o otimismo de vários segmentos em Minas, que apostam no aumento das contratações de trabalhadores, na oferta de pacotes de confraternização e também no sucesso de iguarias típicas para o Natal.

Só o setor de bares e restaurantes prevê a geração de 120 mil vagas de emprego temporário, crescimento de 5,2% em relação ao ano passado, quando foram criados 114 mil postos de trabalho.
Segundo Ricardo Rodrigues, presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), em Belo Horizonte devem ser criados 20 mil empregos temporários. 

Ele avalia que esse reaquecimento da economia pode garantir um incremento de R$ 450 milhões no faturamento anual do setor na capital mineira. “Estamos com uma expectativa muito boa para as festas de final de ano e, como a maior parte dos estabelecimentos mantém uma equipe reduzida, a contratação de temporários é fundamental para dar conta da demanda”, afirma. 

Rodrigues avalia que a oportunidade do contrato temporário pode significar uma efetivação futura. “Esse é um bom momento para os estabelecimentos conhecerem novos talentos e é provável que muitos sejam efetivados”, enfatizou.

Foi pensando nisso que Yago Furlan, proprietário da churrascaria Baby Beef, decidiu contratar os funcionários já no regime formal da CLT, mas vai decidir sobre a continuidade deles somente após o período de experiência. 

“Preferimos fazer assim, porque é uma forma de aproveitarmos essa época para remodelar a equipe”, disse.

Ao todo, as duas unidades da churrascaria, nas avenidas Cristiano Machado e Raja Gabáglia, receberão 30 novos funcionários. “Esperamos faturar de 25% a 30% mais em dezembro”, afirma. 

Entre os serviços mais procurados, segundo Furlan, estão as confraternizações de empresas, especialmente nas duas semanas que antecedem o Natal. “Oferecemos pacotes fechados, com rodízio, bebidas e sobremesa, a partir de R$ 110 por pessoa”, diz. 

Já na Espetacular Doceria, no bairro Funcionários, o chamariz são os lanches típicos do Natal, que são servidos no café e devem render ao estabelecimento um acréscimo de até 30% nas vendas em relação ao ano passado. 

Tortas doces, biscoitos amanteigados e chocotones estão entre os mais pedidos. “Para atender à demanda, decidimos dobrar a equipe, tanto no atendimento da cafeteria quanto na cozinha”, afirma Elisa Dayrell, dona do espaço. 

Ao todo, foram contratados seis funcionários temporários, que vão trabalhar durante todo o mês de dezembro. Um deles é a advogada Taliny Silveira, de 24 anos. Recém-formada e em busca de oportunidades na área do Direito, ela decidiu aproveitar o fim do ano para ganhar um dinheiro extra . “Ajudo na cozinha e na organização do café. Além da renda, é legal para aprender coisas novas”, diz ela, que não descarta mudar os planos profissionais caso surja a oportunidade de efetivação.

Alternativas
Embora sejam utilizados como alternativa para o aumento da demanda no setor de bares e restaurantes, os contratos nos modelos de trabalho temporário e intermitente apresentam algumas peculiaridades. 

O contrato intermitente, aprovado em novembro do ano passado com a reforma trabalhista, permite o pagamento do funcionário por hora ou dia trabalhado, além de prever uma contratação por tempo indeterminado e sem definição da jornada de trabalho.

Já o trabalho temporário se aplica nos casos de demanda extraordinária de serviço ou substituição temporária de mão de obra, com jornada pré-definida. O tempo máximo de contratação é de 180 dias, consecutivos ou não, e é permitida uma prorrogação por mais 90 dias. 

 

 

 

Fonte: Hoje em Dia ||

print

Comentários