Dezesseis pessoas foram mortas a tiros e nove ficaram feridas em uma emboscada no leste da República Democrática do Congo, afirmaram autoridades locais nesta sexta-feira (23).

As pessoas voltavam de um mercado e foram atacadas em Maimoya, a 40 km da cidade de Beni, na província de Kivu do Norte. A suspeita é de envolvimento das Forças Democráticas Aliadas (ADF), grupo armado ligado ao Estado Islâmico na África Central.

“A emboscada aconteceu na quinta-feira à noite no cruzamento de Maimoya e Chani-chani, onde a cada quinta-feira é organizado um mercado. Temos 16 corpos no necrotério do hospital geral de referência de Oicha”, disse o prefeito da cidade, Nicolas Kikuku.

“São 15 adultos — seis mulheres e nove homens — e uma criança, todos mortos a tiros”, afirmou o médico Jérôme Munyambethe, diretor do hospital de Oicha. “No momento estamos tentando estabilizar nove feridos”.

A província de Kivu do Norte e a vizinha Ituri estão em estado de sítio desde 6 de maio devido a grupos armados que aterrorizam os civis. O presidente Félix Tshisekedi substituiu as autoridades civis por oficiais do exército e da polícia.

6 mil mortos desde 2013

As Forças Democráticas Aliadas (ADF) são rebeldes muçulmanos de Uganda que se estabeleceram há mais de 30 anos no leste da vizinha República Democrática do Congo e há muito tempo não promovem ataques em Uganda.

O grupo é acusado de massacres que já deixaram pelo menos seis mil civis mortos desde 2013 e é considerado o mais violento entre as centenas de grupos armados ativos no leste do país.

Desde abril de 2019, alguns ataques das ADF são reivindicados pelo Estado Islâmico, que consideram o grupo a sua “filial” na África Central.

Fonte: G1

print
Comentários