21,9% dos acidentes se devem à desatenção de motoristas

Dirigir falando ao celular aumenta em até 400% o risco de acidentes.

Dirigir falando ao celular aumenta em até 400% o risco de acidentes.

Um estudo da UFMG aponta que motoristas intolerantes e estressados contribuem para o aumento dos acidentes de trânsito.
O levantamento, apresentado pelo pesquisador Ronaro Ferreira, que também trabalha na Gerência de Educação da BHTrans, coloca a desatenção dos condutores como responsável por 21,9% dos 668 acidentes ocorridos na capital mineira entre julho de 2012 e junho de 2014.
?O condutor está no trânsito, mas a cabeça dele, muitas vezes, está em outro lugar. Ele precisa se convencer de que o trânsito deve ser seu foco principal naquele momento?, destaca Ronaro.
O pesquisador aponta que o estresse e a tensão do dia a dia resultam na falta de atenção não só de motoristas, como também de pedestres. Na correria, muita gente acaba acreditando no ?vai que dá?, quando, na verdade, não é seguro. ?Atravessam a rua falando ao celular, distraídos, fora da faixa. Às vezes, não dá certo e é o que causa acidentes?, observa o estudioso.

A analista de informação Aldrey Alexandrino, de 26 anos, assume que o motivo é a pressa. Por causa disso, ela quase foi atropelada uma vez. ?Estava com pressa e, de repente, o carro apareceu. Tive que correr?. Já o advogado Lucas Bicalho, de 32 anos, diz que sempre atravessa na faixa. ?Acho que isso garante a segurança de todos, pedestres e motoristas?, resume.
Recomendação de especialistas
Se não tem jeito de escapar do trânsito em Belo Horizonte, principalmente nos horários de pico, há como evitar situações estressantes, de acordo com especialistas. Dicas valiosas, como controlar a respiração ou ouvir uma boa música podem salvar motoristas de situações complicadas.
Neuropsicóloga e professora de psicologia do Centro Universitário Newton Paiva, Arlete Santana Pereira, explica que algumas pessoas processam mais intensamente eventos estressantes, mas fatores como a intensidade e o tempo de exposição influenciam na forma como cada um encara determinado fato.
Para os estressados, a especialista recomenda exercícios respiratórios, como inspirar e expirar lentamente, e direcionar o pensamento para coisas mais agradáveis. ?Essas dicas não irão tirar a atenção do trânsito, mas diminuir o impacto do agente estressante?, destaca Arlete.
Saia mais cedo
Música mais tranquila e em volume adequado também ajudam a amenizar o estresse no trânsito, recomenda o presidente da Associação Mineira de Medicina de Tráfego, Fábio Nascimento.
A extenuação e o esgotamento podem gerar danos físicos e psicológicos, como taquicardia e fobias, observa Nascimento.
Conforme o especialista, sair de casa com mais antecedência para compromissos é outra dica valiosa. ?Cada vez mais, as pessoas devem sair cedo para cumprir o horário e tentar minimizar os efeitos do estresse, ter uma boa música no carro e dirigir mais relaxadas, para não piorar a tensão, que já é algo inerente ao trânsito hoje?, conclui.

Uso de celular eleva riscos
Dirigir falando ao celular é tão perigoso quanto conduzir um veículo embriagado, afirma estudo do Departamento de Trânsito dos Estados Unidos (NHTSA). A condução ao celular aumenta em até 400% o risco de acidentes. Se equipara à direção após uma pessoa ingerir quatro copos de cerveja. A atenção dos condutores cai pela metade com o uso dos smartphones.
Apesar da gravidade, os riscos não são levados à sério, alerta o consultor em transporte e trânsito Silvestre de Andrade Filho. ?A combinação celular e trânsito é quase fatal. Ela é extremamente perigosa porque você desvia completamente a atenção ao dirigir e cria outro foco?.
De acordo com Silvestre, em questão de segundos é possível causar acidentes. O risco é maior ao responder mensagens pelo WhatsApp, por exemplo. ?A cada segundo, você anda 11 metros, se estiver a 40 km/ hora, o que não é velocidade alta. Uma distração de 2 a 3 segundos já significa que você andou 30 metros ou mais?, destaca.
Atualmente, a multa para quem utiliza o celular ao dirigir é de R$85,13 e o condutor perde quatro pontos na carteira. Para quem dirige embriagado, pode chegar a R$ 1.915,54, além da suspensão da carteira de habilitação e apreensão do veículo.
Falar ou teclar ao celular enquanto dirige é uma infração média, segundo o Código de Trânsito Brasileiro, equivalente a jogar lixo na rua.

print
Comentários

Sobre o autor

André Ribeiro

Designer do portal Últimas Notícias, especializado em ricas experiências de interação para a web. Tecnófilo por natureza e apaixonado por design gráfico. É graduado em Bacharelado em Sistemas de Informação pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

21,9% dos acidentes se devem à desatenção de motoristas

Dirigir falando ao celular aumenta em até 400% o risco de acidentes.

Dirigir falando ao celular aumenta em até 400% o risco de acidentes.

 

Um estudo da UFMG aponta que motoristas intolerantes e estressados contribuem para o aumento dos acidentes de trânsito.

O levantamento, apresentado pelo pesquisador Ronaro Ferreira, que também trabalha na Gerência de Educação da BHTrans, coloca a desatenção dos condutores como responsável por 21,9% dos 668 acidentes ocorridos na capital mineira entre julho de 2012 e junho de 2014.

“O condutor está no trânsito, mas a cabeça dele, muitas vezes, está em outro lugar. Ele precisa se convencer de que o trânsito deve ser seu foco principal naquele momento”, destaca Ronaro.

O pesquisador aponta que o estresse e a tensão do dia a dia resultam na falta de atenção não só de motoristas, como também de pedestres. Na correria, muita gente acaba acreditando no “vai que dá”, quando, na verdade, não é seguro. “Atravessam a rua falando ao celular, distraídos, fora da faixa. Às vezes, não dá certo e é o que causa acidentes”, observa o estudioso.

A analista de informação Aldrey Alexandrino, de 26 anos, assume que o motivo é a pressa. Por causa disso, ela quase foi atropelada uma vez. “Estava com pressa e, de repente, o carro apareceu. Tive que correr”. Já o advogado Lucas Bicalho, de 32 anos, diz que sempre atravessa na faixa. “Acho que isso garante a segurança de todos, pedestres e motoristas”, resume.

 

Recomendação de especialistas

Se não tem jeito de escapar do trânsito em Belo Horizonte, principalmente nos horários de pico, há como evitar situações estressantes, de acordo com especialistas. Dicas valiosas, como controlar a respiração ou ouvir uma boa música podem salvar motoristas de situações complicadas.

Neuropsicóloga e professora de psicologia do Centro Universitário Newton Paiva, Arlete Santana Pereira, explica que algumas pessoas processam mais intensamente eventos estressantes, mas fatores como a intensidade e o tempo de exposição influenciam na forma como cada um encara determinado fato.

Para os estressados, a especialista recomenda exercícios respiratórios, como inspirar e expirar lentamente, e direcionar o pensamento para coisas mais agradáveis. “Essas dicas não irão tirar a atenção do trânsito, mas diminuir o impacto do agente estressante”, destaca Arlete.

 

Saia mais cedo

Música mais tranquila e em volume adequado também ajudam a amenizar o estresse no trânsito, recomenda o presidente da Associação Mineira de Medicina de Tráfego, Fábio Nascimento.

A extenuação e o esgotamento podem gerar danos físicos e psicológicos, como taquicardia e fobias, observa Nascimento.

Conforme o especialista, sair de casa com mais antecedência para compromissos é outra dica valiosa. “Cada vez mais, as pessoas devem sair cedo para cumprir o horário e tentar minimizar os efeitos do estresse, ter uma boa música no carro e dirigir mais relaxadas, para não piorar a tensão, que já é algo inerente ao trânsito hoje”, conclui.

 

Uso de celular eleva riscos

Dirigir falando ao celular é tão perigoso quanto conduzir um veículo embriagado, afirma estudo do Departamento de Trânsito dos Estados Unidos (NHTSA). A condução ao celular aumenta em até 400% o risco de acidentes. Se equipara à direção após uma pessoa ingerir quatro copos de cerveja. A atenção dos condutores cai pela metade com o uso dos smartphones.

Apesar da gravidade, os riscos não são levados à sério, alerta o consultor em transporte e trânsito Silvestre de Andrade Filho. “A combinação celular e trânsito é quase fatal. Ela é extremamente perigosa porque você desvia completamente a atenção ao dirigir e cria outro foco”.

De acordo com Silvestre, em questão de segundos é possível causar acidentes. O risco é maior ao responder mensagens pelo WhatsApp, por exemplo. “A cada segundo, você anda 11 metros, se estiver a 40 km/ hora, o que não é velocidade alta. Uma distração de 2 a 3 segundos já significa que você andou 30 metros ou mais”, destaca.

Atualmente, a multa para quem utiliza o celular ao dirigir é de R$85,13 e o condutor perde quatro pontos na carteira. Para quem dirige embriagado, pode chegar a R$ 1.915,54, além da suspensão da carteira de habilitação e apreensão do veículo.

Falar ou teclar ao celular enquanto dirige é uma infração média, segundo o Código de Trânsito Brasileiro, equivalente a jogar lixo na rua.

Redação do Jornal Nova Imprensa Hoje em Dia

Comentários

Sobre o autor

André Ribeiro

Designer do portal Últimas Notícias, especializado em ricas experiências de interação para a web. Tecnófilo por natureza e apaixonado por design gráfico. É graduado em Bacharelado em Sistemas de Informação pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Últimas Notícias