Funcionários da Apae de Lagoa da Prata foram surpreendidos na segunda-feira (28) ao chegarem para trabalhar e encontrarem o local arrombado.

Cerca de 25 aves foram roubadas, entre elas, um galo, galinhas, frangos e pintinhos. A Polícia Militar foi acionada para registrar a ocorrência e ninguém foi preso.

A proposta de criação do galinheiro da Apae surgiu há seis anos com a doação dos próprios alunos que cuidam da horta da instituição. De acordo com a professora Kênia, responsável pelo viveiro, com as aves era possível fazer um sistema de plantio mais orgânico e mais rápido. “Tendo as galinhas não havia a necessidade de jogarmos veneno para acabarmos com os matinhos, elas comiam. Mas não parou por aí, pois elas começaram a botar, aumentando assim a quantidade de aves”, explicou.

De acordo com Kênia, a Apae tinha o objetivo de ainda este ano começar a vender as aves para arrecadar dinheiro para ajudar a custear a instituição. “Nós já vendemos os ovos e para aumentar a renda iríamos vender as galinhas também. Tínhamos 53 aves, sendo dois galos. Além disso, a Apae cria patos, o que, futuramente, também pretendemos aumentar a produção para venda”.

A professora também informou que a Apae e a Escola Helena Aparecida tem uma oficina de qualificação profissional através da horticultura e do viveiro. “Essa é uma forma de ajudar os alunos a trabalharem e aprenderem uma profissão. O contato com o animal possibilita aos alunos o aumento da responsabilidade e interação. Esse cuidado é diário”, finalizou.

 

Fonte: Jornal Cidade||

print

Comentários