O Ministro da Economia, Paulo Guedes, no dia 06.08.2020, participou de evento organizado pelo Aspen Institute e se indignou ao ser  questionado sobre a política ambiental do governo de Bolsonaro. Afirmou terem os americanos desmatado suas florestas, passado por guerras civis, escravizaram, mataram os índios, não miscigenaram.

A atitude de Guedes é uma forma reiterada do atual governo enfrentar os assuntos, com negação da realidade e ataques para desviar a atenção. Demonstra conhecimento da história americana e, na mesma medida, não conhece a do Brasil.

Guedes fala a verdade, quando acusa os americanos de terem desmatado todas as suas florestas, mas desde a colonização o Brasil desmata o seu território e agora faz o mesmo com a floresta amazônica.

Guedes falou das guerras civis americanas, com alusão à Guerra de Secessão, mas tivemos as nossas próprias guerras, como a Sabinada, Balaiada, Cabanagem, Farroupilha.

Quanto a escravidão, os Estados Unidos aboliu o tráfico em 1808 e o Brasil foi o último país a aboli-la, em 1888.

Bem longe dos olhos do povo, chegaram no Cais do Valongo, no Rio de Janeiro, cerca de 5 milhões de africanos, nos quase 400 anos de tráfico. O negro cumpria jornadas extenuantes, era submetido a castigos físicos e condições de vida básica (comida sob medida, roupas esfarrapadas, não uso de sapatos, etc).

O fim da escravidão é mostrado como momento de festa, mas não relatam-se os conflitos, com os ex-senhores tentando manter relação próxima à escravidão e os libertos impondo novas formas de trabalho. No geral os libertos eram pobres, submetidos a relações sociais de controle, como a lei da vadiagem.

Guedes afirmou ter os americanos exterminado os seus índios, mas o Brasil fez e faz isso. Na colônia a população branca ficava no litoral e os bandeirantes adentravam o território para matar, capturar e escravizar os índios. A Confederação dos Tamoios foi uma revolta dos índios situados no litoral e é eternizada a sua derrota no quadro “O último tamoio”, de 1883, de Rodolfo Amoedo.

Os indígenas eram frágeis às doenças, resistiram à escravidão, fugiam, conheciam e dominavam o local e os seus códigos.

Guedes afirmou os americanos não terem miscigenado, o que é verdade, devido as suas leis segregacionistas. O Brasil, por sua vez, incentivou a miscinegação, através da política de embranquecimento, apresentada em 1911 por João Lacerda, no Congresso Universal das Raças, com a emigração de europeus latinos para fazer cruzamento racial e fazer desaparecer os negros e mestiços até o final do século XX. A partir de 1920, temos mudança desse olhar negativo em relação a população mestiça e negra.

No Geral, o Brasil e EUA protagonizaram o mesmo modelo destrutivo do meio ambiente, eliminaram os índios, utilizaram mão de obra escrava negra e o Brasil, somente se diferencia, por ter feito um amplo processo de miscigenação.

Euler Vespúcio Advogado Tributarista eulervespucio.com.br

Imprimir
Comentários