Os moradores de Congonhas, na região Central de Minas Gerais, estão em alerta, após o tremor de terra de magnitude 3,2 na escala Richter, registrado na cidade, na noite dessa segunda-feira (25). A principal preocupação é que o abalo tenha afetado de alguma forma uma das maiores barragens em área urbana do país e que fica na cidade, a barragem Casa de Pedra, da CSN Mineração.

O Observatório Sismológico da Universidade de Brasília (UNB) registrou o tremor. De acordo com Observatório, o epicentro foi no território de Belo Vale, também na Região Central.

A Prefeitura de Congonhas informou, por meio de nota, que fez contatos com diversas pessoas para verificar a origem do fenômeno, se de ordem natural ou provocada por algum acidente.

Ainda conforme a administração municipal, a CSN Mineração informou que o tremor não causou nenhuma anomalia na estrutura da barragem Casa de Pedra. Também não houve nenhum dano nas demais estruturas da unidade CSN Mineração, sendo descartado ainda possível acidente no paiol de explosivos da CSN Mineração.

Também na noite dessa segunda, o tenente-coronel Flávio Godinho, coordenador-adjunto da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec), se deslocou para a cidade, onde fez contato com a CSN e com a Vale, que também tem barragem na região. De acordo com ele, as empresa informaram que não foi registrada nenhuma anomalia nas estruturas. A Agência Nacional de Mineração também enviou equipe para o local. A chegada está prevista para a parte da tarde.

Relembre

Em março deste ano, o Ministério Público recomendou a retirada de 2.500 moradores de suas casas, que ficam próximas à barragem Casa de Pedra, que fica ao lado da zona urbana de Congonhas. Uma escola e uma creche também foram fechadas por estarem a um quilômetro da barragem.

Segundo a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), a barragem tem 76 metros de altura e capacidade para 50 milhões de m³ de rejeito.

Em caso de rompimento, conforme o MP, a onda de inundação atingiria as primeiras edificações dos bairros Cristo Rei e Residencial Gualter Monteiro em até 30 segundos, o que tornaria impossível qualquer tipo de atuação da Defesa Civil ou do Corpo de Bombeiros.

Ainda na época, a mineradora se recusou a cumprir a recomendação, reforçando que não existia risco de rompimento da barragem.

Confira nota da prefeitura de Congonhas:

“Após diversos relatos de moradores sobre tremores de terra sentidos em diversos pontos da cidade, a Prefeitura de Congonhas fez contatos com diversas pessoas para verificar a origem do fenômeno, se de ordem natural ou provocada por algum acidente. Equipe da Prefeitura seguem monitorando informações sobre a seguranças das estruturas de barragens. A primeira preocupação foi com a condição de estabilidade da estrutura da Barragem Casa de Pedra, que é a mais próxima da área urbana. A CSN Mineração informou que “o tremor sentido em Congonhas na noite de hoje (25/11) não causou nenhuma anomalia na estrutura da barragem Casa de Pedra. Também não houve nenhum dano nas demais estruturas da unidade CSN Mineração”. De acordo com a mineradora, também foi “descartado acidente no paiol de explosivos da CSN Mineração”.

• Nossas equipes seguem monitorando esta situação, além de estar em contato constante com as empresas e autoridades competentes para saber o que ocasionou o tremor. Não se verificou nenhum tipo de abalo nas estruturas ou na condição de estabilidade das barragens”.

 

Fonte: Hoje em Dia ||
Imprimir
Comentários