A AB Nascentes das Gerais, por meio do seu Plano de Gestão Ambiental (PGA), inicia atividades para o plantio de mudas nas Estações Ecológicas de Corumbá, em Arcos, na Mata do Cedro, localizada em Carmópolis de Minas e, em continuidade do Projeto “SOS São Francisco”, realizará o plantio de mudas nativas em áreas de preservação permanentes no município de São Roque de Minas, em afluentes situados na cabeceira do rio São Francisco.

Estas ações de reflorestamento têm como objetivo a preservação do meio ambiente e são medidas de compensação florestal em razão das obras de ampliação de capacidade do Sistema MG-050/BR-265/BR-491.

O início dos plantios coincide com o dia 21 de setembro que é dedicado às comemorações do Dia da Árvore. Ao todo, nas unidades de conservação mantidas pela concessionária, 43 mil mudas já foram plantadas e outras 50 mil unidades devem ser plantadas até o final do período chuvoso, que termina em março de 2021. Já a continuidade do Projeto “S.O.S São Francisco” consiste na preservação de 114 de áreas de afluentes do Rio São Francisco, cercadas pela AB Nascentes das Gerais, e que estão em processo de regeneração natural e irão receber o enriquecimento florístico dentro deste período de chuvas.

Nas áreas da Estação Ecológica de Corumbá já foram plantados ipês, jatobás, jacarandás, jequitibás, gabirobas dentre várias outras espécies que se encontram em processo de manutenção, visando a recuperação das áreas. Já nas áreas de preservação permanentes situadas em São Roque de Minas, inseridas no Projeto “S.O.S São Francisco”, após o isolamento das áreas de plantio realizadas pela Concessionária, a vegetação encontra-se em processo de regeneração, a qual irá contribuir para a manutenção da qualidade das águas dos afluentes do Rio São Francisco, além de proporcionar a preservação da fauna nos corredores das matas ciliares.

O engenheiro civil com ênfase em meio ambiente e responsável pela área ambiental da concessionária, Bruno Novais, vê com satisfação o resultado acerca do desenvolvimento das árvores já plantadas e que estão em processo de manutenção, as quais irão atrair várias espécies de pássaros e outros animais para a região. “A presença de pássaros e animais já atende a um dos objetivos de recomposição de florestas e matas ciliares, que é fornecer abrigo e permitir o fluxo de migração no local, contribuindo para a dispersão de sementes pelos ambientes onde transitam e para a manutenção das espécies e regeneração de áreas desmatadas”, diz.

A Estação Ecológica de Corumbá é mantida pelo Instituto Estadual de Florestas (IEF) e possui cerca de 304 hectares, fauna típica da região do cerrado mineiro, paisagens, pedreiras e cachoeiras. Já a Estação Ecológica da Mata do Cedro, também gerenciada pelo IEF, possui 1.563 hectares e é importante espaço de proteção e preservação do bioma da Mata Atlântica, com grande número de nascentes e córregos. O IEF informou que, devido ao período de pandemia do novo Covid-19, as Estações Ecológicas não estão abertas ao público.

A realização do plantio compensatório vai muito mais além de cumprir as obrigações legais de acordo com a engenheira ambiental Ani Ster Marquioni, responsável pela coordenação da área no Grupo AB Concessões. “A recuperação de áreas degradas com o plantio de árvores de espécies nativas proporciona a possibilidade de preservar a vida humana e a vida dos animais e florestas que, ainda que caminhem em ambientes distintos, possuem a mesma função que é preservar uma vida saudável a todos os meios”, diz.

Os espaços situados no centro-oeste mineiro receberam mudas e tratamentos da equipe de meio ambiente da AB Nascentes das Gerais. Além destas importantes ações de preservação e plantio, a concessionária realiza o monitoramento ambiental das obras e serviços, que tem garantido o controle e proteção ambiental dos sítios das obras, atenuação dos impactos à qualidade do ar, preservação de patrimônio histórico e proteção dos recursos hídricos.

Fonte: Nascentes das Gerais

Imprimir
Comentários