Mesmo sendo fortemente assediado pelo Grêmio, Adilson Batista recusou. Preferiu permanecer no Cruzeiro por pelo menos mais um ano. Abriu mão de um salário maior no futebol gaúcho (ganharia R$230 mil; no Cruzeiro serão R$200 mil). Entre os fatores que mais pesaram em sua decisão está a vinda de sua família para Belo Horizonte, além da continuidade do trabalho no clube, seja disputando a Libertadores ou não.
Na história recente, Adilson é o treinador que mais dirigiu o Cruzeiro. Até agora foram 134 partidas. Conseguiu 78 vitórias, 25 empates e 31 derrotas. O aproveitamento é de 64,7% até o momento, o segundo melhor em 10 anos, perdendo apenas para Vanderlei Luxemburgo e seu time bem mais forte de 2003, com 70,4%.
Desde a guinada gloriosa do Cruzeiro nos anos 90, Adilson é o 2º treinador que mais comandou a equipe. Perde apenas para Levir Culpi, que em três passagens distintas dirigiu o Cruzeiro em 257 jogos. Bola dentro da diretoria celeste.
Ataque reforçado
Recuperado de um estiramento muscular, o equatoriano Guerrón, que começou a entrar no ritmo, pode ser uma das novidades de Adilson no domingo, contra o Coritiba, no Mineirão. Só não será a maior das surpresas se Kleber reaparecer. O Gladiador está curado do problema no púbis e pode ser reaproveitado.
Pegou mal
As declarações do jogador Corrêa, após a derrota para o Inter, chatearam parte da torcida atleticana. De cabeça quente, ele questionou se os atleticanos estavam mais felizes com o time de 2006, época em que o Atlético disputou a Segunda Divisão. Nas arquibancadas, a torcida atleticana gritava ?timinho?. O jogador precisou se retratar e pediu desculpas.

Orçamento aprovado
Alexandre Kalil viu o Conselho Deliberativo do Atlético aprovar, por unanimidade, o orçamento de R$ 100 milhões para o futebol do Galo no ano que vem. De patrocínio novo e apostando na arrecadação da bilheteria, um item deve desagradar o torcedor alvinegro: R$ 20 milhões é um valor que a diretoria espera receber com transferências de jogadores. Os próximos dois jogos deverão ser os últimos de Tardelli com a camisa do Galo.
Falou o que quis…
Não se pode montar uma equipe pensando só na Libertadores. Apesar que é muito fácil chegar à final da Libertadores, Alexandre Kalil.
…Ouviu o que não quis
Não se pode discutir isso, porque o Kalil tem muita experiência em Libertadores, ele deve saber o que está falando, Zezé Perrella.
Olho nos ´sopradores de latinha´
Com o Brasileirão pegando fogo, é bom ficar de olho. A CBF já anunciou a escala dos árbitros da rodada do final de semana. Quem apita o jogo do Cruzeiro é Sálvio Espínola Fagundes. O jogo do Galo será comandado por Sandro Meira Ricci. Goiás x São Paulo terá o apito do às vezes confuso Héber Roberto Lopes. Mas a maior surpresa estará em Campinas: Evandro Rogério Roman, na geladeira desde o jogo Cruzeiro x Palmeiras, apitará o embate entre Corinthians x Flamengo e promete fortes emoções.
Ida e volta (do Painel FC, da Folha de SP)
No Goiás, despertou curiosidade a viagem de empresário ligado a jogadores do time para São Paulo na semana passada. Contam que ele esteve na capital duas vezes.
Pessoas ligadas ao time goiano comentam que a queda do time no segundo turno está relacionada com os salários atrasados e que o grupo está mais suscetível a receber incentivos de rivais que disputam o título brasileiro.

print
Comentários