Agronegócio mineiro gerou R$ 160,5 bilhões em 2014

Com o desempenho, o PIB do agronegócio de Minas Gerais ampliou sua participação no PIB nacional do setor, chegando a 13,66.

Com o desempenho, o PIB do agronegócio de Minas Gerais ampliou sua participação no PIB nacional do setor, chegando a 13,66.

O PIB (Produto Interno Bruto) da cadeia agropecuária do estado cresceu 6,13%, em 2014. O resultado refere-se ao desempenho nos primeiros 10 meses, período no qual a renda estimada foi de R$ 160,467 bilhões. Deste valor, estima-se que R$ 77,567 bilhões (48,34%) resultem da agricultura e R$ 82,9 bilhões (51,66%) da pecuária. Analisando apenas outubro, o crescimento chegou a 0,56%.

Com este desempenho, o PIB do agronegócio de Minas Gerais ampliou sua participação no PIB nacional do setor, chegando a 13,66%. A contribuição do estado vinha se mantendo estável desde 2011, mas começou a avançar em abril do ano passado, com aumento de 0,61 p.p. até o momento. Todos os segmentos cresceram no agregado: indústria em 0,2 p.p. (de 11,66% em 2013 para 11,85% em 2014), insumos em 0,42 p.p. (de 11,97% para 12,38%), distribuição em 0,64 p.p. (de 12,91% para 13,55%) e básico em 1,06 p.p. (de 14,53% para 15,46%).
Ao longo do ano, agricultura e pecuária registraram desempenhos bastante diferentes. A pecuária acumulou alta de 14,06% no ano; a agricultura registrou baixa de 1,2%. Em outubro, os resultados do setor foram semelhantes: crescimento de 1,33% na pecuária e queda de 0,26% na agricultura.

O cálculo por segmentos mostra alta no básico (1,16 %), insumos (0,8%) e distribuição (0,47%), em outubro. Já na agroindústria o decréscimo foi de 0,33% no mês, a exemplo dos demais segmentos industriais. Entretanto, no acumulado de 2014, estima-se elevação em todos os segmentos do agronegócio: 9,16% para básico, 3,54% para insumos, 6,16% para distribuição e 2,15% para indústria.

?Dentro da porteira? as atividades pecuárias registraram resultados positivos, principalmente para bovinocultura de corte e suinocultura, que apresentaram crescimento no faturamento esperado para o ano. Já as atividades agrícolas apresentaram recuperação, com crescimento de 0,44% no mês, pois produtos agrícolas de grande representatividade na economia mineira tiveram variação positiva na renda, como o café (12,18%) e a soja (1%).

Em outubro, os efeitos da seca ainda foram observados em várias áreas, gerando prejuízos tanto na produtividade como na qualidade de diversos produtos agrícolas. O que se reflete nos resultados acumulados pela atividade básica, que registrou queda de 4,47%.

Em relação à agroindústria, houve queda no mês (-0,33%), pressionada principalmente pelo desempenho negativo do segmento agrícola (-0,7%), diante do crescimento no segmento pecuário (1,32%).

Os dados foram levantados pelo Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da ESALQ/USP, com o apoio financeiro da FAEMG (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais) e da Seapa (Secretaria da Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais).

Imprimir

Sobre o Autor

André Ribeiro

Designer do portal Últimas Notícias, especializado em ricas experiências de interação para a web. Tecnófilo por natureza e apaixonado por design gráfico. É graduado em Bacharelado em Sistemas de Informação pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Agronegócio mineiro gerou R$ 160,5 bilhões em 2014

Com o desempenho, o PIB do agronegócio de Minas Gerais ampliou sua participação no PIB nacional do setor, chegando a 13,66.

Com o desempenho, o PIB do agronegócio de Minas Gerais ampliou sua participação no PIB nacional do setor, chegando a 13,66.

 

O PIB (Produto Interno Bruto) da cadeia agropecuária do estado cresceu 6,13%, em 2014. O resultado refere-se ao desempenho nos primeiros 10 meses, período no qual a renda estimada foi de R$ 160,467 bilhões. Deste valor, estima-se que R$ 77,567 bilhões (48,34%) resultem da agricultura e R$ 82,9 bilhões (51,66%) da pecuária. Analisando apenas outubro, o crescimento chegou a 0,56%.

Com este desempenho, o PIB do agronegócio de Minas Gerais ampliou sua participação no PIB nacional do setor, chegando a 13,66%. A contribuição do estado vinha se mantendo estável desde 2011, mas começou a avançar em abril do ano passado, com aumento de 0,61 p.p. até o momento. Todos os segmentos cresceram no agregado: indústria em 0,2 p.p. (de 11,66% em 2013 para 11,85% em 2014), insumos em 0,42 p.p. (de 11,97% para 12,38%), distribuição em 0,64 p.p. (de 12,91% para 13,55%) e básico em 1,06 p.p. (de 14,53% para 15,46%).

Ao longo do ano, agricultura e pecuária registraram desempenhos bastante diferentes. A pecuária acumulou alta de 14,06% no ano; a agricultura registrou baixa de 1,2%. Em outubro, os resultados do setor foram semelhantes: crescimento de 1,33% na pecuária e queda de 0,26% na agricultura.

O cálculo por segmentos mostra alta no básico (1,16 %), insumos (0,8%) e distribuição (0,47%), em outubro. Já na agroindústria o decréscimo foi de 0,33% no mês, a exemplo dos demais segmentos industriais. Entretanto, no acumulado de 2014, estima-se elevação em todos os segmentos do agronegócio: 9,16% para básico, 3,54% para insumos, 6,16% para distribuição e 2,15% para indústria.

“Dentro da porteira” as atividades pecuárias registraram resultados positivos, principalmente para bovinocultura de corte e suinocultura, que apresentaram crescimento no faturamento esperado para o ano. Já as atividades agrícolas apresentaram recuperação, com crescimento de 0,44% no mês, pois produtos agrícolas de grande representatividade na economia mineira tiveram variação positiva na renda, como o café (12,18%) e a soja (1%).

Em outubro, os efeitos da seca ainda foram observados em várias áreas, gerando prejuízos tanto na produtividade como na qualidade de diversos produtos agrícolas. O que se reflete nos resultados acumulados pela atividade básica, que registrou queda de 4,47%.

Em relação à agroindústria, houve queda no mês (-0,33%), pressionada principalmente pelo desempenho negativo do segmento agrícola (-0,7%), diante do crescimento no segmento pecuário (1,32%).

Os dados foram levantados pelo Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da ESALQ/USP, com o apoio financeiro da FAEMG (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais) e da Seapa (Secretaria da Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais).

Redação do Jornal Nova Imprensa Faemg

Sobre o Autor

André Ribeiro

Designer do portal Últimas Notícias, especializado em ricas experiências de interação para a web. Tecnófilo por natureza e apaixonado por design gráfico. É graduado em Bacharelado em Sistemas de Informação pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Deixe um comentário!

Atenção! Os comentários do portal Últimas Notícias são via Facebook, se deseja comentar esteja logado. Lembre-se que os comentários são de inteira responsabilidade dos autores e não representam a nossa opinião.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!