Da redação

A pandemia pelo novo coronavírus já mostrou que fazer previsões que dependem de fatores como o isolamento social e uso frequente de máscaras tem sido um tremendo desafio, porém elas (as previsões) são importantes no planejamento de ações de prevenção e combate ao vírus.

A partir da análise do quadro atual das infecções por Covid-19 em Formiga, questionado durante coletiva de imprensa realizada na tarde desta quarta-feira (22), o secretário de Saúde, Leandro Pimentel, disse acreditar que o município já alcançou o pico da doença e está agora no platô, o que significa certa estabilidade na curva de casos. “Acredito que permaneceremos nesse quadro por mais um mês, um mês e meio, até que a curva entre em declínio” disse explicando se tratar de uma informação hipotética.

O secretário alertou que essa tendência de daqui um tempo os casos começarem a diminuir está intimamente ligada com os cuidados pessoais para evitar a infecção. “Nos Estados Unidos os casos já estavam caindo quando começaram as manifestações que provocaram um pico com ainda mais casos que o primeiro”, comentou.

A médica infectologista Raquel Vaz, que também participou da coletiva online, disse que em relação ao Estado, também estamos vivendo o pior momento da pandemia, o que deve melhorar no próximo mês. Porém, a médica também frisou que apesar da tendência, abandonadas as ações de prevenção, os casos de infecção e óbitos podem voltar a subir.

“O fato é que a vida não será igual e a situação só irá melhorar com a vacinação em massa, que deverá começar no país no primeiro trimestre de 2021, e mesmo assim estaremos sujeitos a surtos da doença. A vacina para o vírus H1N1 já está disponibilizada e tivemos recentemente um surto na cidade de Santos/SP”, explicou, dizendo ainda, que esta última semana está sendo mais tranquila no município com relação aos casos graves de Covid, mas que trata-se de uma situação instável, que pode mudar de uma hora para a outra.

Testes

De acordo com o secretário de Saúde, Formiga tem sido referência no número de testes realizados da doença, se tornando referência na região de testagem e notificação.

“Aqui, qualquer pessoa que apresente síndrome gripal é submetida ao exame”, disse Leandro.

Já o chefe do Departamento de Comunicação, Wendel Teixeira acrescentou a informação de que de 20 de maio a 20 de julho aumentou em cerca de 800% os números de testagens realizadas na cidade.

“Quanto mais se testa, mais se controla o número de casos, porque sabemos onde está o doente e o tratamos o mais rápido possível”, complementou a médica infectologista.

As coletivas sobre a situação da pandemia no coronavírus estão ocorrendo semanalmente, desde o início de julho.

print
Comentários