Alto custo da energia fecha indústrias e gera desemprego

Setor de ferro-liga para dez das 12 empresas no Estado; companhias já investem em outros países

Setor de ferro-liga para dez das 12 empresas no Estado; companhias já investem em outros países

O alto custo da energia, que já chega próximo de R$ 400 o megawatt/hora, está desestimulado investimentos e provocando desemprego nos segmentos que mais demandam energia, os eletrointensivos. É o caso do setor de ferro-liga, já que os custos com o insumo podem chegar a 50%. ?A energia é a base para qualquer tipo de indústria, sem energia barata, não dá para ser competitivo?, diz o presidente da empresa Granha Ligas, Fernando Granha.
Ele ressalta que o momento é de preocupação, já que não existe no país garantia de fornecimento de energia e o preço praticado vem inviabilizando os negócios do setor. Segundo dados da Associação Brasileira da Indústria de Ferro-Ligas e Silício Metálico (Abrafe), das 12 empresas do setor em Minas Gerais, dez estão paradas, total ou parcialmente.
Conforme dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI), o custo com a eletricidade cresceu 90% entre 2004 e 2014, enquanto que nos Estados Unidos a alta foi de 30% e, no México, 55% no mesmo período.
A unidade da Granha de Conselheiro Lafaiete está parada desde o primeiro dia deste mês e a planta de São João Del Rei, desde meados de 2014, opera com 30% da capacidade. ?E não é um problema só nosso. Há outras empresas na mesma situação?, frisa o executivo.
Granha conta que o contrato de dez anos com a Companhia Energética do Estado de Minas Gerais (Cemig) venceu dia 31 de dezembro e não foi renovado. ?O preço que era pago era de R$ 70 o megawatt/hora. No mercado, o valor está na casa dos R$ 380, o que é incompatível para o setor?, reclama.
Diante do aumento do custo da energia nos últimos anos, a empresa decidiu investir fora do país. Há dois anos está sendo construída a unidade em Nova Colômbia, na região metropolitana de Assunção, no Paraguai. A inauguração está prevista para 2016. ?Lá, a energia proveniente de Itaipu, custa US$ 37. Com a energia a US$ 50, já é possível ser competitivo?, diz o executivo.
Com custos nas alturas, ele conta que a saída foi reduzir o quadro de pessoal. O número de funcionários caiu de 410 para 130.

Imprimir

Sobre o Autor

André Ribeiro

Designer do portal Últimas Notícias, especializado em ricas experiências de interação para a web. Tecnófilo por natureza e apaixonado por design gráfico. É graduado em Bacharelado em Sistemas de Informação pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Alto custo da energia fecha indústrias e gera desemprego

Setor de ferro-liga para dez das 12 empresas no Estado; companhias já investem em outros países.

Setor de ferro-liga para dez das 12 empresas no Estado; companhias já investem em outros países.

 

O alto custo da energia, que já chega próximo de R$ 400 o megawatt/hora, está desestimulado investimentos e provocando desemprego nos segmentos que mais demandam energia, os eletrointensivos. É o caso do setor de ferro-liga, já que os custos com o insumo podem chegar a 50%. “A energia é a base para qualquer tipo de indústria, sem energia barata, não dá para ser competitivo”, diz o presidente da empresa Granha Ligas, Fernando Granha.

Ele ressalta que o momento é de preocupação, já que não existe no país garantia de fornecimento de energia e o preço praticado vem inviabilizando os negócios do setor. Segundo dados da Associação Brasileira da Indústria de Ferro-Ligas e Silício Metálico (Abrafe), das 12 empresas do setor em Minas Gerais, dez estão paradas, total ou parcialmente.

Conforme dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI), o custo com a eletricidade cresceu 90% entre 2004 e 2014, enquanto que nos Estados Unidos a alta foi de 30% e, no México, 55% no mesmo período.

A unidade da Granha de Conselheiro Lafaiete está parada desde o primeiro dia deste mês e a planta de São João Del Rei, desde meados de 2014, opera com 30% da capacidade. “E não é um problema só nosso. Há outras empresas na mesma situação”, frisa o executivo.

Granha conta que o contrato de dez anos com a Companhia Energética do Estado de Minas Gerais (Cemig) venceu dia 31 de dezembro e não foi renovado. “O preço que era pago era de R$ 70 o megawatt/hora. No mercado, o valor está na casa dos R$ 380, o que é incompatível para o setor”, reclama.

Diante do aumento do custo da energia nos últimos anos, a empresa decidiu investir fora do país. Há dois anos está sendo construída a unidade em Nova Colômbia, na região metropolitana de Assunção, no Paraguai. A inauguração está prevista para 2016. “Lá, a energia proveniente de Itaipu, custa US$ 37. Com a energia a US$ 50, já é possível ser competitivo”, diz o executivo.

Com custos nas alturas, ele conta que a saída foi reduzir o quadro de pessoal. O número de funcionários caiu de 410 para 130.

Redação do Jornal Nova Imprensa O Tempo

Sobre o Autor

André Ribeiro

Designer do portal Últimas Notícias, especializado em ricas experiências de interação para a web. Tecnófilo por natureza e apaixonado por design gráfico. É graduado em Bacharelado em Sistemas de Informação pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Deixe um comentário!

Atenção! Os comentários do portal Últimas Notícias são via Facebook, se deseja comentar esteja logado. Lembre-se que os comentários são de inteira responsabilidade dos autores e não representam a nossa opinião.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!