Foram 13 dias de pré-temporada e 19 treinamentos na Cidade do Galo. O Atlético-MG começou 2020 com o pé direito, em atuação “pro gasto” na vitória sobre o Uberlândia no Parque do Sabiá, graças a dois lances de pênalti – gol de Fábio Santos e defesa de Michael (veja os lances acima). A sensação que a partida trouxe é que há longo caminho a ser percorrido no trabalho de Rafael Dudamel, ainda incipiente para qualquer tipo de avaliação mais profunda.

Há, entretanto, espaço para alguns comentários, como na escalação da equipe e participação de alguns jogadores. Sem 10 atletas disponíveis, entre eles Cazares, um dos protagonistas, o técnico Rafael Dudamel lançou uma formação com três volantes. Em campo, porém, o que se viu foi Allan bastante avançado, ao lado de Jair, com Zé Welison na contenção. Entretanto, o ataque do Galo muitas vezes ficou “vazio” ao longo da partida.

Na parte ofensiva, Hyoran teve boa participação, ainda que seja possível notar falta de entrosamento com algumas peças. Protagonista na reta final de 2019, o jovem Marquinhos cansou e não conseguiu render o esperado. Muito abaixo dos demais esteve Franco Di Santo. É a posição mais carente do Atlético há tempos. Não há, no atual elenco, um jogador com “cheiro de gol”. Ricardo Oliveira, por exemplo, sequer entrou em campo.

Sem a bola, o Atlético também teve dificuldades. Muito pela capacidade física abaixo do ideal. Não foram poucos os momentos em que os jogadores do Uberlândia recebiam a bola com tranquilidade. Se não fosse Michael, com certeza o Galo não teria somado três pontos no Triângulo Mineiro.

O goleiro, ao lado do zagueiro Gabriel, de Allan e Hyoran, foram os grandes destaques. Os dois últimos, reforços para 2020, mostram que ainda ajudarão o Galo ao longo da temporada. O defensor, inclusive, foi surpresa na escalação. O titular Igor Rabello ficou no banco e não fez falta. Gabriel foi seguro nas intervenções.

“Nós conseguimos suportar e fazer o que podia ser feito para conseguir a vitória” – Réver.

A partida diante do Uberlândia faz parte, ainda, de uma pré-temporada alvinegra, que só deve se encerrar em fevereiro. Seguro dizer, entretanto, que Rafael Dudamel precisará alinhavar muitos pontos na construção de uma equipe mais competitiva que dos anos anteriores. E o ponto frágil é claro, conforme dito pelo próprio comandante venezuelano: o Galo necessita de um reforço de peso para o ataque, necessidade ainda maior com a iminente saída de Juan Cazares para o mundo árabe.

 

Fonte: G1 ||
Imprimir
Comentários