Importação de lixo? (I)

Anotando a reclamação feita pelo vereador Juarez Carvalho, nesta semana, na rede social, onde fotos comprovam as mazelas denunciadas pelo edil, ficamos com a impressão de que, realmente, alguma providência precisa sim, ser tomada pela turma da Gestão Ambiental, no que concerne ao recolhimento de lixo, em especial na zona rural.

Importação de lixo? (II)

Porém, analisando a foto e verificando sua origem descobrimos que ela, em nome da verdade, se refere a uma matéria (fato ocorrido) de mesmo teor e que denuncia algo semelhante na cidade de Campinas-SP, tornada pública em 20/09/19, no portal A Cidade On – Campinas –  Se esta constatação for fake, aí o problema é mais sério! Será que estamos mais uma vez, acolhendo por aqui não só o lixo de fora e agora ele parece embalado nas caçambas de outras cidades?

Importação de lixo? (III)

Conhecendo a seriedade do vereador e de sua assessoria no trato das questões por eles trazidas a público, os ouvimos a respeito e eles assim nos responderam: de fato, por falta de tempo hábil para fotografar e mostrar o que ocorre nesta cidade, como exemplo, em relação às caçambas que recolhem lixo nas proximidades do balneário de Furnas, usamos aquela imagem, apenas ilustrativamente, pois, neste caso, qualquer semelhança é mera coincidência”. 

Importação de lixo? (IV)

Interessante ressaltar que lá em Campinas, segundo a matéria de onde se origina a tal foto, está bem explicado que as caçambas estavam disponíveis para o recebimento de materiais inservíveis. (sofá, cadeiras, armários, etc). Não de lixo, e lá como cá, o que mais ocorre é o acúmulo de animais em busca de restos de alimentos e o que se vê é lixo espalhado por todo o entorno. Isto quando os catadores, em busca de pets e de alumínio não promovem antes, o espalhamento do que lhes é inservível, permitindo o acúmulo de moscas, mau cheiro e o aparecimento de animais peçonhentos.

Comissão Especial (I)

Não há duvidas de que a participação em Comissão Especial, algumas vezes, pode trazer aos que a compõem alguns dissabores. Agora, por exemplo, analisando a lista dos escolhidos para serem agraciados pela Câmara com as comendas que ali serão outorgadas, encontramos uma séria irregularidade. É provável que a comissão nomeada para analisar o projeto, desta feita, ficará de saia justa se exigir, na íntegra, o cumprimento dos dispositivos que regulam a matéria. Regimento Interno.

Comissão Especial (II)

Por quê?Art.201 – Parágrafo 3º – II – é vedada a apresentação pelo próprio vereador, de proposição para entrega de Título de Cidadania Honorária e outras honrarias a seus parentes até o 2º grau de parentesco.

Comissão Especial (III)

Como de costume tentamos entrar em contato telefônico (por três vezes) com o vereador Marcelo Fernandes para alertá-lo sobre o descumprimento do Regimento Interno, mas, não logramos êxito. Na Câmara, fomos informados que ele, seu assessor Marcelo Pereira Ramos e Eduardo Lacerda (do departamento de Comunicação), se encontram em Brasília desde terça-feira (9), participando de evento de interesse do município.

Comissão Especial (IV)

Na Câmara, o jornal obteve a informação de que o evento na capital federal é, como de costume, promovido pela União dos Vereadores do Brasil e o deslocamento da equipe formiguense para Brasília foi feito por via terrestre. Custos de hospedagens, de viagens, de alimentação e de inscrição no próprio evento ainda não foram informados.  O evento se denomina: Comunicação Legislativa e Cidadania realizado de 10 a 12 de novembro.

Comissão Especial (V)

Nessa quinta feira (11), às 23h54, o vereador Marcelo Fernandes, via Whatsapp se comunicou com o editor chefe do Portal Ultimas Notícias/Jornal Nova Imprensa respondendo a matéria acima – (sobre a sua indicação de parente de primeiro grau para receber comenda do Legislativo) – alegando desconhecimento da proibição.

Na mesma postagem, o próprio vereador cita e nos encaminha textos dos art. 180 e 173, com seus respectivos parágrafos, onde a proibição é mais patente ainda (reiterada).

O vereador cita que outros colegas, como Cabo Cunha, em recentes oportunidades, também incorreram nos mesmos erros e, Marcelo nos questiona sobre se também concordamos que de fato está tudo errado. O vereador reafirma ao final, que se soubesse do impedimento jamais incorreria no erro.

NR – Respondendo ao vereador, agora publicamente, afirmamos que tanto antes como, no presente caso, tudo está errado, pois o regimento interno foi descumprido. Porém, é preciso esclarecer que nestes casos não só o vereador proponente de tais emendas se equivocou, pois, os projetos aprovando tais indicações passam pelo exame de comissão especial e, além disso, devem ser assinados pela Mesa Diretora da Casa. Resta saber quem a integrava em tais épocas. 

Neste momento, sexta-feira (12), às 11h49, o portal obteve da Câmara Municipal a informação de que o vereador já retirou a indicação de sua autoria, objeto desta matéria.

print
Comentários