Antônio Anastasia é citado em depoimento da Lava Jato

Segundo a Folha de S.Paulo, braço direito de doleiro diz ter enviado dinheiro ao ex-governador de Minas Antonio Anastasia, que nega recebimento

Segundo a Folha de S.Paulo, braço direito de doleiro diz ter enviado dinheiro ao ex-governador de Minas Antonio Anastasia, que nega recebimento

Mais um tucano aparece na lista dos nomes citados nas investigações da Operação Lava Jato. Dessa vez, Antônio Anastasia, atual senador e ex-governador de Minas Gerais, é suspeito de envolvimento no esquema de corrupção organizado pelo doleiro Alberto Youssef. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.
Segundo depoimento de Jayme Alves de Oliveira Filho, conhecido como Careca, Anastasia recebeu R$ 1 milhão na época que ainda era candidato ao governo de Minas, em 2010. Ainda de acordo com jornal, Careca teria enviado o dinheiro para uma casa em Belo Horizonte e o destinatário seria o ex-governador mineiro, segundo Youssef.
Após investigadores da PF apresentarem fotografia ao depoente, ele teria afirmado que a pessoa da imagem parecia com o senador.
Careca, acusado de colaborar com doleiro no envio e recebimento de dinheiro, prestou depoimento em novembro do ano passado. As informações teriam sido apuradas pela Polícia Federal.
Em nota, Anastasia negou que seja verídica informação revelada pela Folha de S. Paulo. Registro que não conheço este cidadão, nunca estive ou falei com ele. Da mesma forma não conheço, nunca estive ou falei com o doleiro Alberto Youssef. Em 2010, já como governador de Minas Gerais não tinha qualquer relação com a Petrobras, afirmou o ex-governador por meio de nota.
Anastasia declarou ainda que está tomado de forte indignação e revoltado por ter seu nome envolvido na Operação Lava Jato e pediu acareação com o policial federal que o acusa de ter recebido R$ 1 milhão do doleiro Alberto Youssef, em 2010.
Leia na íntegra a nota do senador:
Tomado de forte indignação, reporto-me a notícia publicada hoje pela imprensa que se refere ao depoimento de um policial no âmbito da operação lava-jato, que alega ter entregue a mim dinheiro em 2010.
Em primeiro lugar, registro que não conheço este cidadão, nunca estive ou falei com ele. Da mesma forma não conheço, nunca estive ou falei com o doleiro Alberto Youssef. Em 2010, já como Governador de Minas Gerais não tinha qualquer relação com a Petrobras, que não tinha obras no Estado, ademais do fato de eu ser governador de oposição ao governo federal.
Estranha-se assim o motivo da alegada entrega de recursos. Por outro lado, pelo que se vê do dito depoimento, também é muito estranho o alegado encontro de um Governador de Estado em uma casa que não é sua, com um desconhecido, para receber dinheiro.
Por fim, o mais importante, acresço que minha vida pública é bem conhecida dos mineiros. Meu único patrimônio é o moral, não tendo amealhado bens no exercício dos diversos cargos públicos . Sempre tive exemplar comportamento, reconhecido por todos. Uma acusação falsa e absurda como esta me leva a completa indignação e mesmo revolta. Não sei o motivo de tal inverdade no âmbito desta operação, mas sem dúvida misturar falsidades com fatos verdadeiros possa ser uma estratégia dos culpados.
Diante deste depoimento, que tive conhecimento ontem, pelo jornal, já constitui advogado com o propósito de solicitar o completo esclarecimento do episódio, por todos os meios possíveis, inclusive acareação com o acusador, verificação de qual seria a tal casa, a data deste alegado encontro, o meio de locomoção utilizado e todos os demais elementos para demonstrar, de forma cabal , a inverdade do depoimento.

print
Comentários

Sobre o autor

André Ribeiro

Designer do portal Últimas Notícias, especializado em ricas experiências de interação para a web. Tecnófilo por natureza e apaixonado por design gráfico. É graduado em Bacharelado em Sistemas de Informação pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Antônio Anastasia é citado em depoimento da Lava Jato

Segundo a Folha de S.Paulo, braço direito de doleiro diz ter enviado dinheiro ao ex-governador de Minas Antonio Anastasia, que nega recebimento.

Segundo a Folha de S.Paulo, braço direito de doleiro diz ter enviado dinheiro ao ex-governador de Minas Antonio Anastasia, que nega recebimento.

 

Mais um tucano aparece na lista dos nomes citados nas investigações da Operação Lava Jato. Dessa vez, Antônio Anastasia, atual senador e ex-governador de Minas Gerais, é suspeito de envolvimento no esquema de corrupção organizado pelo doleiro Alberto Youssef. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

Segundo depoimento de Jayme Alves de Oliveira Filho, conhecido como “Careca”, Anastasia recebeu R$ 1 milhão na época que ainda era candidato ao governo de Minas, em 2010. Ainda de acordo com jornal, “Careca” teria enviado o dinheiro para uma casa em Belo Horizonte e o destinatário seria o ex-governador mineiro, segundo Youssef.

Após investigadores da PF apresentarem fotografia ao depoente, ele teria afirmado que a pessoa da imagem “parecia” com o senador.

“Careca”, acusado de colaborar com doleiro no envio e recebimento de dinheiro, prestou depoimento em novembro do ano passado. As informações teriam sido apuradas pela Polícia Federal.

Em nota, Anastasia negou que seja verídica informação revelada pela Folha de S. Paulo. “Registro que não conheço este cidadão, nunca estive ou falei com ele. Da mesma forma não conheço, nunca estive ou falei com o doleiro Alberto Youssef. Em 2010, já como governador de Minas Gerais não tinha qualquer relação com a Petrobras”, afirmou o ex-governador por meio de nota.

Anastasia declarou ainda que está “tomado de forte indignação” e “revoltado” por ter seu nome envolvido na Operação Lava Jato e pediu acareação com o policial federal que o acusa de ter recebido R$ 1 milhão do doleiro Alberto Youssef, em 2010.

 

Leia na íntegra a nota do senador:

“Tomado de forte indignação, reporto-me a notícia publicada hoje pela imprensa que se refere ao depoimento de um policial no âmbito da operação lava-jato, que alega ter entregue a mim dinheiro em 2010.

Em primeiro lugar, registro que não conheço este cidadão, nunca estive ou falei com ele. Da mesma forma não conheço, nunca estive ou falei com o doleiro Alberto Youssef. Em 2010, já como Governador de Minas Gerais não tinha qualquer relação com a Petrobras, que não tinha obras no Estado, ademais do fato de eu ser governador de oposição ao governo federal.

Estranha-se assim o motivo da alegada entrega de recursos. Por outro lado, pelo que se vê do dito depoimento, também é muito estranho o alegado encontro de um Governador de Estado em uma casa que não é sua, com um desconhecido, para receber dinheiro.

Por fim, o mais importante, acresço que minha vida pública é bem conhecida dos mineiros. Meu único patrimônio é o moral, não tendo amealhado bens no exercício dos diversos cargos públicos . Sempre tive exemplar comportamento, reconhecido por todos. Uma acusação falsa e absurda como esta me leva a completa indignação e mesmo revolta. Não sei o motivo de tal inverdade no âmbito desta operação, mas sem dúvida misturar falsidades com fatos verdadeiros possa ser uma estratégia dos culpados.

Diante deste depoimento, que tive conhecimento ontem, pelo jornal, já constitui advogado com o propósito de solicitar o completo esclarecimento do episódio, por todos os meios possíveis, inclusive acareação com o acusador, verificação de qual seria a tal casa, a data deste alegado encontro, o meio de locomoção utilizado e todos os demais elementos para demonstrar, de forma cabal , a inverdade do depoimento.”

Redação do Jornal Nova Imprensa O Tempo Online

Comentários

Sobre o autor

André Ribeiro

Designer do portal Últimas Notícias, especializado em ricas experiências de interação para a web. Tecnófilo por natureza e apaixonado por design gráfico. É graduado em Bacharelado em Sistemas de Informação pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Últimas Notícias