O prefeito de Bom Despacho Fernando Cabral (PPS), renunciou ao cargo. No dia 17 março, Fernando se afastou dos trabalhos à frente do Executivo após ser diagnosticado com uma doença hereditária autoimune ainda sem cura.

A Prefeitura divulgou duas cartas de renúncia que Fernando para a vereadora Joice Martins Quirino, presidente da Câmara Municipal, e ao vice-prefeito Bertolino da Costa Neto. Na carta enviada à parlamentar, Fernando afirmou que o vice-prefeito se comprometeu a assumir o cargo.

Doença

Em março, ao se fastar do cargo, Fernando divulgou uma carta aberta à população sobre o problema de saúde.

Na carta, o prefeito informava que foi diagnosticado com uma doença hereditária autoimune. Segundo ele, a espondilite anquilosante é tratável com graus variados de sucesso e se parece com o reumatismo, embora seja típica de jovens e não de idosos. Fernando explicou que os tratamentos não são nem tão eficazes nem tão seguros quanto seria desejável.

“Na fase que estou sofrendo agora, a doença se manifesta principalmente por dores na coluna vertebral, costelas, músculos, tendões e articulações dos braços, pescoço e bacia. Nos dias piores qualquer movimento se torna muito doloroso mesmo após o uso de analgésicos. Quanto mais tempo eu fico parado (sentado ou deitado), mais as dores aumentam e mais difícil fica reiniciar o movimento, mesmo que apenas para me levantar. Com esta situação, tem sido difícil continuar a me dedicar integralmente à administração do município como tenho feito nos últimos sete anos. Por isto, a contragosto, decidi me afastar”, disse Fernando no texto.

Trabalho

Nas cartas enviadas nesta sexta, Fernando destaca o trabalho realizado à frente da Prefeitura nos últimos sete anos e sobre as contas do Município. Ele afirma ainda que enviará à Câmara Municipal um relatório um relatório informando a situação geral do Município.

“Adianto que deixo as finanças equilibradas, com dívida consolidada equacionada e dívida flutuante compatível com o fluxo de caixa do Tesouro Municipal. Especificamente, deixo um saldo em conta no valor de total de R$ 38.161.046,42 assim distribuídos: R$ 22.318.879,24 em contas de livre movimentação, R$ 1.175.017,40 decorrente de convênios e R$ 14.667.149,78 em contas vinculadas. No Instituto de Previdência dos Servidores (BDPREV) o saldo deixado é de R$ 30.099.087,89”.

Fernando diz ainda que deixa o cargo com pesar, mas que deixa bons resultados. “Insuficiências, reconheço que houve, mas não por falta de esforço de minha parte ou da parte dos servidores. Erros, reconheço que houve, mas nunca por falta de determinação para acertar. Falhas, reconheço que houve, mas nunca por omissão ou desídia. No entanto, é certo que a despeito das insuficiências, erros e falhas vieram os resultados. Bons resultados”, diz a carta.

Matéria do G1

Imprimir
Comentários