Com quatro horas de atraso, chegaram pouco antes das 17h, no Aeroporto Santos Dumont, as primeiras doses da vacina contra a Covid-19 no Rio de Janeiro.

Uma aeronave comercial trouxe parte do primeiro lote, e o governo confirmou que a imunização começa ainda nesta segunda-feira (18).

De lá, foram levadas de helicóptero para o Palácio Guanabara, de onde algumas doses serão transportadas para o Cristo Redentor, onde serão vacinadas as duas primeiras pessoas no Rio.

A maior parte das vacinas será levada para o centro de distribuição em Niterói.

O Ministério da Saúde reservou 487.520 doses ao RJ. Cerca de 10 caixas – não foi divulgado quantas doses em cada uma delas – foram trazidas. A previsão inicial era a de que as doses chegariam às 13h.

Outros dois voos estão previstos, segundo a companhia aérea Azul: o primeiro voo sai de Guarulhos às 18h15 e pousa no Galeão às 19h30; o segundo sai de Guarulhos às 3h40 e pousa no Galeão às 4h45 de terça (19).

Mais cedo, o governador em exercício do RJ, Cláudio Castro, (PSC), foi a São Paulo com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. Em Guarulhos, junto com demais governadores, Castro posou para fotos com caixas que supostamente viriam para o estado, cobertas com a bandeira fluminense — e anunciou que a vacinação seria às 17h, no Cristo Redentor.

Com o atraso na chegada das doses, a cerimônia no Cristo também foi atrasada.

Castro retornou de SP às 12h50 sem vacinas. Uma coletiva no Santos Dumont foi cancelada, e o governo se articulou para conseguir trazer ao menos parte das doses e manter a cerimônia no Cristo.

Até sábado (23), as primeiras quase 500 mil doses não serão aplicadas em postos. Serão vacinadas apenas os grupos abaixo, em locais estabelecidos pelo governo:

  • trabalhadores da Saúde que atendem diariamente pacientes com coronavírus (em CTI, enfermarias e emergências) — cerca de um terço dos profissionais da saúde;
  • pessoas com 60 anos em asilos ou abrigos;
  • pessoas com deficiência a partir de 18 anos moradores de abrigos e residências inclusivas;
  • População indígena vivendo em terras indígenas.

Esse grupo vai receber duas doses, com intervalo de duas ou três semanas.

Fonte: G1

Imprimir
Comentários