É comum que consumidores levem grandes sustos diante de aumentos exorbitantes nas contas de água do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae). Muitas vezes o acréscimo é devido a vazamentos não provocados e dos quais o consumidor não tem ciência.
Para evitar que o contribuinte arque com mais esse gasto, foi aprovado, por unanimidade, pela Câmara Municipal, na reunião de segunda-feira (23), um projeto de lei que estabelece, nesses casos (vazamentos acidentais e/ou que não ocorreram por ação humana), a cobrança diferenciada.
De acordo com a proposta apresentada pelo vereador José Geraldo da Cunha (Cabo Cunha), ao ser detectado o problema, será feito pelo Saae, um cálculo do consumo médio da residência, a partir das últimas três contas, e esse será o valor a pagar.
A proposta também deixa claro em seu artigo 2º, que nos casos em que o consumidor tenha responsabilidade no vazamento, ele não ficará isento de pagar o valor integral apresentado na conta, entretanto, não será contabilizado o percentual correspondente ao esgoto, quando esta rede não for usada para escoamento.
Os consumidores que se depararem com o problema devem questionar o aumento do valor junto ao Saae, sobre a cobrança e se munindo de documentação e laudos que julgar necessário.
O principal objetivo do projeto é resguardar o consumidor e evitar que ele pague por um serviço não prestado.
Para entrar em vigor, o projeto que foi elogiado por todos os vereadores no momento da votação, agora precisa ser sancionado pelo prefeito Moacir Ribeiro.

Imprimir
Comentários