O resultado do Levantamento Rápido de Infestação do Aedes aegypti (LIRAa) de janeiro de 2018 apontou que Arcos está com alto risco de infestação do mosquito Aedes aegypti e que 93% dos focos estão dentro das residências.

O levantamento foi realizado pela Secretaria Municipal de Saúde, por meio do Setor de Endemias e aponta índice de 8,4%, o que coloca o município em situação de alerta.

Desde o início desta gestão, o Setor de Endemias vem realizando diversos trabalhos de prevenção e orientação à população contra as doenças dengue, chikungunya, zika e febre amarela.

O portal entrou em contato com a Prefeitura de Formiga para saber sobre o resultado do levantamento no município e a informação foi de que a divulgação do mesmo ocorrerá na segunda-feira. Em Bambuí, o LIRAa também apontou risco de epidemia de dengue.

Em 2017, agentes de endemias de Arcos visitaram residências, estabelecimentos comerciais e profissionais de Saúde realizaram orientações e palestras nas escolas, grupos de bairros e no Comitê da Dengue. Porém, ainda assim, o resultado neste ano é bastante preocupante, já que mesmo após diversas intervenções nas residências de Arcos, os moradores continuam inadimplentes quanto aos cuidados contra o mosquito.

“Apesar de todo o trabalho desenvolvido durante o último ano e o bom resultado que nós obtivemos, ainda falta a cooperação dos moradores. Encontramos muitos focos do mosquito em caixas de água, pneus, máquinas de lavar, vasos de plantas, materiais de construção, tanques, entre outros. É preciso que os moradores realmente leve este assunto a sério e coloquem em prática todas as ações de prevenção, para que Arcos não sofra novamente uma epidemia”, afirmou o coordenador do Setor de Endemias, Tiago Carvalho.

Conforme o LIRAa, os bairros com maior índice de infestação são: Niterói, Novo Eldorado, Cruzeiro, Mangabeiras, Novo Horizonte, Jardim Bela Vista, Brasília, Jardim Esplanada, Floresta, Eldorado, São Vicente, São Judas e Centro.

Devido o alto índice e risco de epidemia das doenças causadas pelo mosquito, o Setor de Endemias está disponibilizando o telefone do Disque Dengue (37) 3352-1056 e intensificará os trabalhos. No entanto, a população é a principal responsável para que não haja proliferação do mosquito, já que a maioria dos focos está nas residências.

Quando é considerado alto índice de infestação?

Segundo o mobilizador em Saúde Geraldo Moura, de 1 a 3,99% considera-se situação de médio risco e acima de 4% passa a ser considerado alto risco de epidemia das doenças causadas pelo mosquito Aedes Aegypti.

Como é feito o LIRAa?

O Levantamento Rápido de Infestação do Aedes aegypti (LIRAa) é realizado por meio de pesquisa de três regiões da cidade e com isso as análises de criadouros foram executadas.

Mais de 40% dos focos foram encontrados em depósitos móveis como vasos e pratos de plantas, além de pingadeiras e bebedouros de animais. E pouco mais de 30% em depósitos ao nível do solo, como barris, tambor, tanques e poços. Ainda foram encontrados focos em depósitos elevados e fixos como caixas de água,calhas, obras e etc. Além destes, através do LIRAa foi encontrado focos em lixos, pneus e outros materiais.

Anualmente, são desenvolvidos quatro levantamentos ao todo. Estes dados são importantes, pois orientam os trabalhos dos agentes municipais de endemias e auxiliam o poder público no diagnóstico e acompanhamento da situação nos municípios brasileiros.

Febre amarela

Com a alta proliferação do mosquito Aedes aegypti e devido ao vírus estar circulando na região Centro-Oeste de Minas Gerais, o risco de contrair febre amarela está muito alto, portanto, a população deve procurar a unidade de Saúde mais próxima e se vacinar. Para aqueles que não lembram se já tomaram a vacina ou esqueceram o cartão de vacina, a recomendação do Ministério Público é que de qualquer forma seja vacinado. Apenas os casos de idosos, gestantes e grupos de riscos deverão consultar primeiro o médico da unidade.

 

Fonte: Portal Arcos||

Imprimir

Comentários