*Por Paulo Coelho

Após o recebimento de várias denúncias sobre o ressurgimento de um lixão na zona urbana, a reportagem do Últimas Notícias  esteve no local e, em companhia do presidente da Comissão de Meio Ambiente da Câmara Municipal, vereador Sidney Ferreira, constatou que:

A Prefeitura de Formiga está utilizando parte de uma Área de Preservação Permanente (APP) para descartar entulho.

O terreno está localizado entre a Escola Municipal Benedita Gomide Leite e o Centro de Educação Infantil, Dalva Barbosa Pereira, na avenida Geraldo Almeida, bairro Vargem Grande.

A área está localizada às margens do rio Formiga. Há pouco tempo, o proprietário do terreno celebrou um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) com o Ministério Público que o obrigou a realizar a limpeza do local, bem como construir um muro para evitar que a área fosse utilizada novamente para o descarte de lixo.

Ele também foi obrigado a pagar uma multa pecuniária como compensação pelos danos ambientais causados.

O material descartado pela Prefeitura (entulho de construção) seria oportunamente empregado na recomposição de trechos de rodovias vicinais, mas a população se aproveitou da ocasião e também começou a utilizar o espaço para descartar lixo e entulho.

Devido ao descarte de lixo, que já tomou grandes proporções, os moradores da região estão preocupados com a proliferação de escorpiões e outros animais peçonhentos. Como o lixão está localizado entre duas instituições de ensino, a preocupação maior é com as crianças.

No local, estão sendo descartados móveis inservíveis, televisores e outros materiais eletrônicos, sofás, restos de materiais de construção como vidros e cacos de azulejos, ferragens, louças, e muito lixo orgânico.

Ao Nova Imprensa, a secretária de Gestão Ambiental, Giovana Borges declarou que não autorizou o descarte de entulho na área e que enviaria um fiscal para tomar as devidas providências.

Fotos: Glaudson Rodrigues/Últimas Notícias

Imprimir