A ?Guerra contra a Dengue? chegou aos gramados em uma parceria entre os principais clubes de futebol do Estado e a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG). No jogo entre Atlético e Goiás, no dia 28 de novembro, já haviam sido realizadas ações educativas para alertar e mobilizar os torcedores para os perigos da dengue e as formas de se enfrentar a ameaça de epidemia no Estado.
Na semana passada, jogadores do Cruzeiro e do Atlético gravaram mensagens, em vídeo, com alertas sobre a doença. Em breve, será a vez do América entrar na guerra contra a dengue, que precisa cada vez mais da participação de toda a sociedade.
Com essa parceria, o governo de Minas espera que as pessoas se mobilizem para o combate à dengue, de forma que cada um tome para si a responsabilidade pela prevenção e transforme em rotina a limpeza de tudo que possa ser foco de proliferação dos mosquitos.

Ataque e defesa contra a dengue
A temática que esteve presente no Centro de Treinamento do Clube Atlético Mineiro, no treino de quarta-feira (1º) foi ?Não deixe o mosquito transmissor da Dengue entrar na sua casa. Gol contra não dá. A Dengue mata?. O goleiro Renan Ribeiro e os atacantes Obina e Diego Tardelli participaram de uma gravação incentivando a torcida a se mobilizar e prevenir contra a dengue.
Para o goleiro Renan Ribeiro, de 20 anos, todos devem estar sempre atentos.?O combate à dengue não pode ser de um ou dois, tem que ser uma ação de várias pessoas, pois combater esse mal é tarefa de todos?, declarou.
Ele alerta para pequenas ações, como limpar piscinas constantemente com cloro, cuidar dos vasos de plantas e eliminar os pneus. ?Como cidadão, procuro sempre ajudar minha mãe nessas pequenas tarefas em casa. São ações que fazem a diferença e devem ser feitas por todos?, salientou o jovem goleiro.
Para Obina, a força tarefa é muito positiva no combate. ?As forças armadas ajudando nesse combate significa salvar vidas. Para todos os cidadãos que se preocupam com esse problema, essa ação é muito positiva?, afirmou.

Novos aliados
No Cruzeiro, Wellington Paulista, Fábio e Roger gravaram mensagens de alerta contra a doença e mostraram que só com muita dedicação o problema poderá ser vencido.
Para o armador Roger, a parceria do Cruzeiro na luta contra a dengue é uma questão de responsabilidade social. ?Tudo o que é feito em prol da sociedade é importante. Apoio essas ações, principalmente por fazer chegar informações até as pessoas que normalmente são afetadas pela doença, mas não sabem o que fazer para evitá-la?, comenta o jogador.
A campanha já está surtindo efeito junto aos torcedores cruzeirenses. Um grupo de alunos da Escola Estadual Benedito Valadares, que foi a Belo Horizonte conhecer o Centro de Treinamento do Cruzeiro, apóia a iniciativa do time.
As amigas Marisa, Brenda, Meiryele e Marina não se incomodaram em gastar quase três horas de São Gonçalo do Pará, no Centro-Oeste do Estado, cidade onde moram, até BH. ?Conhecer nossos ídolos e ainda participar de uma campanha como essa é uma felicidade pra nós?, comemoram, praticamente em coro.
O goleiro Fábio também acredita que a parceria com o time vai contribuir para despertar na população a necessidade de prevenir à dengue. ?O Cruzeiro está de parabéns pela iniciativa. É gratificante fazer parte dessa luta, porque sei que se as pessoas não se esforçarem ao máximo para acabar com a dengue, todos teremos problemas?, afirma.
O atacante Wellington Paulista se lembra de uma situação complicada pela qual passou há um tempo. ?Quando morei no Rio de Janeiro, houve uma epidemia forte. Todo mundo passou a se cuidar, fazer a sua parte. Tomara que aqui aconteça igual para que a doença não se alastre mais?.

Imprimir
Comentários