O Atlético encara o Fluminense, nesta quarta-feira (10), às 21h30, no Maracanã, pela 35ª rodada da Série A, tentando encerrar o jejum de cinco jogos e quase dois meses sem vitória fora de casa no Brasileirão.

A última vez que o Galo conquistou os três pontos numa partida longe de Belo Horizonte foi em 12 de dezembro do ano passado, quando fez 1 a 0 no Athletico-PR, na Arena da Baixada, em Curitiba, com um gol do chileno Eduardo Vargas. O confronto foi válido pela 25ª rodada.

Depois da vitória sobre o Furacão, o time de Jorge Sampaoli perdeu para o então líder São Paulo, quatro dias depois, no Morumbi. Neste ano, o Atlético ainda não venceu fora de casa.

Empatou com Bragantino (2 a 2) e Grêmio (1 a 1) e vem de derrotas para Vasco (3 a 2) e Goiás (1 a 0), equipes que ocupam a zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro.

Mudanças

Para tentar encerrar o jejum de vitórias como visitantes, Sampaoli deve promover mudanças no Galo em relação ao time que foi derrotado pelo Esmeraldino na última quarta-feira (3).

Ele não conta com Jair, suspenso pelo terceiro cartão amarelo. Allan, que reencontra o Fluminense, onde fez grande temporada em 2019, será o primeiro volante. Nathan e Alan Franco disputam a condição de segundo, com Hyoran sendo o meia.

Na defesa, Guga volta à lateral direita e o setor terá ainda Réver, Junior Alonso e Guilherme Arana. De toda forma, não se pode descartar um time com três zagueiros, pois ele levou cinco jogadores da posição para o Rio de Janeiro, já que Gabriel, Igor Rabello e Bueno também integram a deleção que viajou na tarde da última terça-feira (9) para a capital carioca.
No ataque, outra dúvida de Jorge Sampaoli. Sem Keno, ele vinha usando Eduardo Vargas e Eduardo Sasha, mas o Atlético perdeu força pelo lado esquerdo e Marrony, que foi mais eficiente diante do Goiás, na derrota por 1 a 0, na semana passada, pode ganhar a posição. Se isso acontecer, o chileno deve deixar o time mais uma vez.
Outro aspecto que pode determinar a entrada de Marrony é a força do time carioca no seu lado direito, que conta com os garotos Calegari e Luiz Henrique, revelações das categorias de base e que vivem bom momento no Campeonato Brasileiro.

No Fluminense, o zagueiro Lucas Claro perdeu o pai, vítima da Covid-19, no último domingo, e não participou dos últimos dois treinos. Mas se colocou à disposição para jogar e a decisão fica com o técnico Marcão, que tem como opção Matheus Ferraz, ex-América.

Fonte: Hoje em Dia

print
Comentários