Da redação

Nessa semana, a população formiguense foi surpreendida com uma carta aberta divulgada nas redes sociais pela médica da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal da Santa Casa de Caridade de Formiga, Valéria Alves Gontijo Martins.

Na carta, a médica relata problemas enfrentados pela unidade como o atraso dos salários dos profissionais que resulta na ameaça de fechamento da UTI Neonatal, unidade que atende toda a microrregião (54 cidades) e é instrumento indispensável para salvar vidas.

(Foto: divulgação)

Em entrevista concedida ao Nova Imprensa, o secretário de Relações Públicas do hospital, Kleber Almeida Vaz, garantiu que apesar de todas as dificuldades financeiras enfrentadas, a Santa Casa não tem a menor intenção de fechar a UTI Neonatal.

Kléber confirmou as informações mencionadas pela médica Valéria Alves. “Os salários dos médicos da unidade estão sim, atrasados desde novembro do ano passado. O parcelamento proposto e referente aos plantões realizados em junho também está atrasado. O valor total (em atraso) a ser repassado aos médicos é de R$242.982,85”.

O jornal apurou que atrasos referentes a pagamentos de salários de médicos, se estendem a outras clínicas e especialidades atendidas pelo hospital. Kléber informou que isso ocorre em razão do atraso nos repasses do Governo Estadual e pela perpetuação da dívida contraída pela Prefeitura de Formiga para com o hospital que hoje, está acumulada na casa dos R$2 milhões.

A UTI Neonatal que até terça-feira (14) mantinha sete crianças internadas e uma à espera de vaga, é a unidade cujo custeio é o mais oneroso se comparado com outros setores, mas também é uma das mais importantes do hospital, explicou Kleber. Conforme relatado na carta, a unidade foi aberta em junho de 2014 e é composta por um corpo clínico de 9 pediatras intensivistas. Grande parte destes profissionais vem de outras cidades.

Segundo dados apresentados pela própria Santa Casa, nos meses de outubro, novembro e dezembro de 2016, a UTI Neo faturou 391 diárias e a UTI Pediátrica, 92.

O Nova Imprensa acompanhou, logo após a entrevista com o relações públicas da instituição, uma reunião com os médicos da UTI Neonatal, na qual foi exposta a situação econômica da entidade. Foi apresentado aos profissionais um resumo detalhado da composição de custos necessários para o funcionamento da Santa Casa, inclusive com a relação dos gastos e compromissos assumidos pelo antigo provedor, assim como as providências e negociações havidas para solucionar os problemas herdados. Também foram apresentados dados referentes à atual condição financeira do hospital, com ênfase nos atrasos de dívidas contraídas anteriormente e ainda não saldadas e relacionando os créditos a receber.

Kleber lembrou ainda que o déficit mensal da Santa Casa, que em janeiro de 2016 era em torno de R$750 mil/mês, hoje está reduzido em R$240 mil/mês. Segundo ele, neste ano, a Santa Casa ainda não recebeu o repasse do Governo Estadual no valor de R$200 mil/mês, o atraso já chega a R$400 mil relativo a recursos da Rede Resposta.“Recebemos um mapa do próprio governo do Estado que informa onde os repasses para os hospitais estão atrasados. Há atrasos em todas as regiões de Minas e não temos como cobrar, isoladamente. A Federassantas [Federação das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos de Minas Gerais] está nos representando na tentativa de agilizar uma solução”, disse.

Já os quase R$2 milhões referentes à dívida contraída pela Prefeitura de Formiga para com o hospital, Kléber explicou que o valor é resultante de um acumulado dos últimos 4 anos. Segundo entendimento da administração municipal, o convênio a que estes números se referem, prevê que o município cumpra com a “obrigação”, caso tenha folga financeira para tal.

Ao final da reunião entre o representante da Mesa Diretora da Santa Casa e os médicos que atendem na UTI, ficou decidido que as partes deveriam ainda, fazer um esforço junto ao Estado e município na busca de solução que evite, em definitivo, o fechamento da unidade que, sem dúvida, ao ser instalada, foi vista como importante conquista na defesa da saúde dos recém-nascidos oriundos desta e de inúmeras cidades da região.

A equipe do Nova Imprensa presente na reunião e convidada a expor sobre o assunto, opinou pela manutenção do diálogo, em especial com o Estado e os prefeitos da microrregião que, unidos, talvez possam viabilizar recursos que resolvam a pendência atual, pois conforme disse o relações públicas, a UTI será de grande valia para a obtenção de recursos advindos de outros programas financiados pelo Sistema Único de Saúde (SUS), cujos estudos para o credenciamento da Santa Casa, se encontram em andamento.  As diárias na UTI Neo, pagas pelo Estado na Rede Cegonha, são de R$800 cada e o município deve desembolsar por elas R$200.

UTI Neo

A UTI Neonatal foi inaugurada no dia 17 de fevereiro de 2014 pelo Governo de Minas, por meio da Secretaria de Saúde de Minas Gerais (SES). A obra, com o nome de “Dr. Concéssio Batista da Costa”, recebeu incentivo de mais de R$1 milhão do Governo Estadual.

A Unidade conta com 20 leitos e funciona 24 horas semanais, com um médico diarista – nos períodos da manhã e da tarde. A equipe médica conta com nove profissionais especializados.

(Foto: reprodução facebook)

Setor de Infectologia

Com a demissão do infectologista da Santa Casa, Lécio Vasconcelos Júnior, o hospital contratou a médica Raquel Ferreira Vaz (foto), natural de Formiga, formada em julho de 2013 pela Faculdade de Medicina de Teresópolis/RJ e graduada em Estratégia de Saúde e Família. Atualmente, Raquel cursa a especialização em infectologia no Hospital Vera Cruz, em Belo Horizonte.

Conheça a carta divulgada pela médica Valéria Alves:

DESABAFO DE UMA MÉDICA DA UTI NEONATAL DE FORMIGA – MG: povo mineiro e povo brasileiro. Meu nome é Valéria Alves Gontijo Martins. Estou numa madrugada de plantão com 8 bebês internados, desabafando porque estamos sendo desrespeitados de forma vil. Nossa unidade está aberta desde fevereiro de 2014 e já foi fechada e reaberta duas vezes no início por falta de pediatras para compor a escala semanal. …reabriu em definitivo em julho de 2014. FORMIGA recebeu o que algumas outras cidades da região não conseguiram: uma coordenadora que vinha de Juiz de Fora toda semana para montar a equipe, treinar o pessoal, já que trabalhar com bebês requer um preparo especial….depois dela nosso coordenador que deixou sua vida em BH com sua esposa,que também é pediatra de nossa equipe, mudou-se para Formiga com seu filho e está VERDADEIRAMENTE DANDO SEU SUOR aqui, pois não dispomos de cirurgiões infantis e ele se dispõe a comparecer a qualquer hora aqui para acessos venosos complicados e também para ajuda no trabalho quando precisamos. Conseguimos uma equipe completa de pediatras intensivistas ….outras cidades do interior não conseguiram isso….um pediatra intensivista faz 6 anos de faculdade e 4 anos de residência médica…mas não é valorizado…. desde a abertura sempre com ameaças de fechamento. …não há PAZ….SEMPRE SALÁRIOS MUITO ATRASADOS ….ATÉ 4 MESES DE ATRASO JÁ SUPORTAMOS….temos amor a essa unidade….sabemos que a população da região necessita dela….nosso salário de abril de 2016 foi dividido em 6 vezes para que a Santa Casa pudesse por as contas em dia e nos pagar em dia….em exaustivas reuniões com os responsáveis. … AGORA ESTÃO NOS DEVENDO 2 PARCELAS DE ABRIL, 35 % DE NOVEMBRO E DEZEMBRO E JANEIRO já trabalhados, com noites mal dormidas, gasto de gasolina, pois moro em outra cidade distante 80 km de Formiga….agora novas ameaças de fechamento e nem sabemos se um dia receberemos por nosso trabalho. …se esta unidade se desfizer será muito difícil organizar outra escala….pois equipe médica preparada como a nossa no interior é muito difícil, sem falsa modéstia. … Gostaria que me ajudassem fazer esse texto chegar às autoridades do estado e do país e também a um ilustre formiguense que admiro: Padre Fábio de Melo. Para nos ajudar nesse esforço, pois estamos perdendo nossas forças. …além de salários atrasados….falta de insumos e equipamentos. …não temos vínculo empregatício. …sem direito a licença médica, maternidade e férias….como a maioria dos médicos no estado….PEDIMOS SOCORRO!!!!

 

IMPRIMIR