Os auditores fiscais da Receita Federal entraram em greve à zero hora de hoje por período indeterminado. A manifestação vai afetar diretamente os contribuintes que têm dúvidas para fazer a declaração do Imposto de Renda e as atividades de alfândega.
O presidente do Unafisco Sindical, que representa a categoria, Luis Sérgio Fonseca Soares, diz que 30% do efetivo continuará trabalhando, mas admite que não será possível manter o serviço. Se com o quantitativo total já é precário, imagina com apenas 30%, diz. Com isso, quem procurar a Receita para obter esclarecimentos relativos ao acerto com o Leão terá que esperar em longas filas e ainda poderá ser atendido por um funcionário menos qualificado.
Entre as reivindicações dos auditores estão reajuste de 40% em três anos, paridade entre funcionários aposentados e da ativa, subsídios e elevação do salário inicial, hoje em R$ 7.000. O governo propôs passar o valor inicial para R$ 11 mil, o que significaria reajuste de 57%, mas a categoria pretende dobrar a remuneração, chegando a R$ 14 mil.
Para o supervisor nacional do Imposto de Renda, Joaquim Adir, os transtornos causados pela greve só poderão ser avaliados hoje, quando se souber qual foi a adesão ao movimento. De acordo com ele, a declaração do Imposto de Renda não será afetada, já que o cidadão tem outros meios para se informar, como telefone e Internet.
Não acredito que a greve crie problemas para a entrega da declaração, mas só podemos avaliar depois do ocorrido, afirmou. Ele explicou que o Receita Fone (0300-780300) não é operado pelos auditores, que são responsáveis pela prestação de esclarecimentos nos postos da Receita.

Imprimir
Comentários