O número de casos suspeitos de dengue subiu para 20 esta semana nas cidades do Centro-Oeste de Minas. Segundo a Secretaria de Estado de Saúde (SES), Estrela do Indaiá é a cidade da região com mais ocorrências registradas até segunda-feira (15).

Não há suspeita ainda de casos de chikungunya ou zika vírus na região.

No primeiro boletim epidemiológico do ano, divulgado em 8 de janeiro, estavam sob investigação na região apenas dois casos- um em Estrela do Indaiá e outro em Divinópolis. Agora, a cidade com pouco mais de 3,9 mil habitantes já está com quatro pacientes com suspeita de infecção pelo vírus transmitido por meio da picada do Aedes aegypti.

Já Divinópolis está na mesma situação de Pará de Minas e Piumhi, que possuem três casos suspeitos de dengue cada.

Em Minas Gerais, até o momento, foram registrados 476 casos prováveis (dado que reúne casos confirmados e os suspeitos) de dengue.

Confira onde cada suspeita de dengue é investigada na região:

  • Conceição do Pará- 2
  • Divinópolis- 3
  • Estrela do Indaiá- 4
  • Igaratinga- 1
  • Nova Serrana- 1
  • Pará de Minas- 3
  • Pedra do Indaiá- 1
  • Pitangui- 1
  • Piumhi- 3
  • São Gonçalo do Pará- 1

 Enfrentamento da dengue

Embora esteja entre os municípios ainda considerados pela SES como de baixo risco para a ocorrência de dengue, Divinópolis apresentou um índice de 6,5% para infestação do mosquito transmissor da doença. O dado se refere ao Levantamento do Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa), divulgado no dia 9 de janeiro pela Vigilância em Saúde.

De acordo com a vigilância, 120 servidores estão empenhados no trabalho de combate à doença, que atuam em áreas específicas, onde o levantamento apontou o maior número de criadouros.

Além disso, o órgão informou que adquiriu um caminhão para coletar materiais descartados a céu aberto, pois podem servir de criadouros para a proliferação do mosquito. A Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) implantou ainda um serviço de denúncias via telefone, o “Disk Dengue”, que funciona por meio do (37) 3222-3722.

 

Fonte: G1||

Imprimir

Comentários