O mês de novembro registrou um aumento no número de empresas que entraram com pedido de recuperação judicial, em relação ao mesmo período do ano passado. Segundo a Serasa Experian, que divulgou nesta sexta-feira(11) o Indicador de Falências e Recuperações, foram feitos 48 pedidos de recuperação judicial no mês passado, ante 39 em novembro de 2008, apesar da conjuntura econômica melhor. Segundo os técnicos da Serasa, a elevação é explicada pelas dificuldades encontradas por alguns setores da economia, em especial as empresas exportadoras.
Um dos destaques do levantamento, segundo os técnicos da Serasa, é o fato de que as grandes empresas têm apresentado uma saída mais rápida da crise. Segundo a pesquisa, dos 48 pedidos de recuperação judicial, apenas dois foram de grandes empresas. Empresas médias foram responsáveis por 18 pedidos e os 28 restantes foram do segmento de micro e pequenas empresas.
Ainda de acordo com os técnicos, as empresas menores encontram mais dificuldades para a recuperação porque são mais dependentes de recursos de terceiros, que ainda não se normalizaram após a crise. Os técnicos ainda apontam as dificuldades na obtenção de crédito como um dos fatores para a entrada com pedido de recuperação judicial.
Ainda foi verificado na pesquisa que um total de 11 recuperações judiciais foram encerradas desde a entrada em vigor da nova Lei de Falências. A Serasa explica que, se todas as obrigações do plano de recuperação com prazo de vencimento de até dois anos forem cumpridas pelo devedor nesse prazo, o juiz deve decretar Encerramento da Recuperação Judicial, mesmo que subsistam obrigações com prazo de cumprimento superior a dois anos, na hipótese de um plano mais longo.
Com o crescimento econômico do País, os analistas da Serasa acreditam em redução dos registros de falências e recuperações judiciais, apesar dos problemas que ainda serão enfrentados pelos exportadores com o câmbio e a demanda dos países compradores.

Imprimir
Comentários