Os últimos seis meses foram os mais violentos dos últimos anos em Formiga. Das festas de fim de ano até agora, foram seis assassinatos divulgados pela Polícia Militar. Números que antes não eram alcançados na cidade, nem mesmo ao longo de um ano inteiro.
Dos seis casos notificados, de 30 de dezembro até agora, cinco vítimas eram homens com idade entre 17 e 28 anos. Comprovando os números de estudos do Escritório de Drogas e Crime das Nações Unidas (UNODC, na sigla em inglês) divulgados em abril de 2014, que aponta que no Brasil, a maioria das vítimas de assassinato são homens com até 30 anos de idade.
Se comparados com os últimos índices divulgados sobre assassinatos referentes às duas maiores cidades de Minas Gerais nota-se que a situação pode ser considerada grave em Formiga. Em Uberlândia, o índice foi de 9,52 mortes para cada grupo de 100 mil habitantes (conforme cálculo estabelecido pela Organização Mundial de Saúde – OMS). Já na capital mineira, o índice foi de 11,25 homicídios (números de 2012). O indicador considerado suportável pela OMS é de dez homicídios por 100 mil habitantes.
Com cerca de 70 mil habitantes, os índices de Formiga em apenas seis meses, demonstra que, a permanecer esta ?curva? extrapolará os índices destas duas grandes cidades.
Nos últimos 15 dias, dois jovens foram mortos a tiros em Formiga. No dia 5 de junho, Guilherme Campos, de apenas 17 anos, foi assassinado no bairro Nossa Senhora de Lourdes, após ser atingido no tórax por dois disparos. Dois adolescentes foram apontados como os responsáveis do crime. Oito dias depois, na sexta-feira passada (13), Wesley Ênio Santos, de 23 anos, morreu com um tiro no peito, disparado por Claudimir Custódio de Oliveira, que foi preso no mesmo dia, na cidade de Bambuí. O crime ocorreu diante de várias testemunhas, em uma loja de conveniência 24 horas, localizada em uma das principais vias do Centro de Formiga, a Paulo Lins.
Outros crimes
No dia 30 de dezembro de 2013, Gustavo Henrique Costa (vulgo Burundanga), foi morto aos 21 anos após levar um tiro no ombro e um fatal no abdômen. O crime ocorreu na praça do Terminal Rodoviário diante de dezenas de pessoas. De acordo com dados da Polícia Civil, o crime foi cometido por quatro menores. Três deles foram apreendidos no dia do cumprimento dos mandados (14 de janeiro) e o outro, que confessou a autoria dos disparos, se apresentou espontaneamente à polícia no dia seguinte.
O único crime envolvendo uma mulher ocorreu menos de 15 dias depois da morte de Burundanga, no dia 13 de janeiro e deixou a população da cidade chocada. Aos 48 anos, Rosana Aparecida de Faria, moradora do bairro Geraldo Veloso foi morta a golpes de cavadeira (ferramenta usada para fazer buracos no solo) e enterrada em uma cova rasa.
No dia 3 de fevereiro, em coletiva à imprensa, o delegado de Crimes Contra a Pessoa, Dr. Vilvalde Levilesse Ferreira Júnior esclareceu que o crime havia sido praticado por quatro pessoas (um homem, uma mulher e dois menores) e que, em seus depoimentos, afirmaram ter matado Rosana porque a mesma espalhava para a vizinhança que os envolvidos estariam fazendo uso de drogas.
Apenas uma semana após a morte de Rosana, no dia 21 de janeiro, os corpos de dois jovens foram encontrados em uma estrada vicinal que dá acesso à Granja Rancho Alegre, às margens da rodovia BR-354. Kenedy F. Andrade Silva (Keninho), de 27 anos, morador do bairro do Rosário e Júnio Silva de Oliveira, de 23 anos, morador da Vila Ferreira também foram mortos a tiros. De acordo com informações da Polícia Militar, as vítimas tinham passagens pela polícia, por envolvimento com o tráfico de entorpecentes. Um dos jovens também era suspeito de dar fuga aos assaltantes do Sicoob/Credifor e do Divinocred, crimes ocorridos no mês de outubro de 2013. Porém as informações não foram confirmadas e não foi divulgada a prisão de suspeitos pelos assassinatos.
Além dos seis assassinatos, no dia 24 de março, um homem foi baleado dentro de uma padaria no bairro Rosário, em Formiga. De acordo com testemunhas, Gilmar Pereira Dias, de 38 anos, mais conhecido como Gil, estava no interior do estabelecimento, quando dois jovens chegaram em uma motocicleta. O responsável pelos disparos, mais uma vez foi um menor de idade, de 15 anos.
O último crime foi registrado na noite de domingo, 15 de junho, quando um homem de 40 anos, de apelido Beto, foi atingido por um tiro. O crime ocorreu na avenida Vereador José Higino Filho, no bairro José Honorato de Castro. Segundo relatos da vítima, ele estava em um ponto escuro da via quando ouviu um estampido e pensou se tratar de uma bomba. Instintivamente o homem saiu correndo e metros à frente, sentiu fortes dores na coxa, quando percebeu que havia sido atingido por um tiro. Devido às características do crime, não foi possível identificar o autor do disparo.
Consep
Diante dos números preocupantes, o Conselho Comunitário de Segurança Pública de Formiga (Consep), hoje presidido pela advogada Cirlanda Marques Chaves, tem intercedido junto aos órgãos de segurança pública que atuam na cidade, e da administração municipal para tentar solucionar o grave problema.
Em entrevista ao jornal Nova Imprensa, Cirlanda Chaves explicou que hoje há uma crescente preocupação não apenas dos membros do Consep, mas da comunidade em geral e que reuniões vem sendo feitas com a presença de representantes dos órgãos de segurança que ouvem as reclamações e pedidos feitos pela população e repassados por meio do conselho. ?Nós sabemos da importância do aparelhamento das polícias, assim como do aumento de contingente. Estimulamos ainda a instalação de câmeras de vigilância em pontos estratégicos senão para inibir, pelo menos para facilitar a identificação de criminosos, como já foi feito por alguns empresários por meio da Rede de Comércio Protegido?, explicou a presidente que, conta ainda que já foram enviados ofícios para órgãos do Estado e para a Prefeitura em busca de melhorias neste setor em Formiga.
?Estamos sempre oficiando a Secretaria de Estado de Segurança Pública a respeito de nossos problemas e até mesmo a Secretaria local de Gestão Ambiental para que faça o devido trabalho de capina em áreas onde o matagal pode servir de abrigo para criminosos. Toda denúncia que chega ao conselho, é devidamente encaminhada para quem possa sanar o problema?.
A presidente do Consep vê como positivas as iniciativas das polícias do município e reconhece o esforço feito dentro das limitações. Ela acredita que, ações do Estado possam melhorar as condições de trabalho desses órgãos, o que resultará de imediato na melhoria da Segurança Pública da cidade.

Imprimir