Uma pesquisa realizada pelo instituto Locomotiva e divulgada pelo jornal “Valor Econômico” revelou que um terço das famílias das classes A e B solicitou o recebimento do auxílio emergencial de R$ 600, benefício criado para atender classes mais pobres atingidas pela crise do novo coronavírus. 

De acordo com o levantamento, 69% das famílias tiveram seus pedidos aprovados, o que significa cerca de 3,89 milhões de famílias recebendo indevidamente o valor. A pesquisa ouviu 2.006 pessoas de 72 cidades de todo o país, entre 20 a 25 de maio. A margem de erro da pesquisa é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos.

O auxílio foi criado para ajudar trabalhadores informais, micro empreendedores individuais (MEI) e desempregados. Para receber, um dos critérios é justamente a baixa renda, com renda per capita de até R$ 522,50 mensais ou renda familiar de até três salários mínimos, ou seja, R$ 3.135. Ainda segundo o “Valor Econômico”, para burlar o sistema e receber o benefício, esposas de empresários, jovens de famílias de classe média e servidores aposentados indivíduos omitem a renda familiar. 

Fraudar o recebimento do auxílio emergencial pode caracterizar os crimes de falsidade ideológica e estelionato, com penas que vão até a cinco anos de reclusão.

Fonte: O Tempo Online

Imprimir
Comentários