O avião que fez o voo 5761 entre os aeroportos de Guarulhos, na Grande São Paulo, e Santos Dumont, no Rio, na manhã de quarta-feira (21) completou o percurso com parafusos soltos, como mostra o leitor André Stolarski, um dos passageiros. Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), não é permitida a falta de parafusos no local. A Webjet reconheceu o erro, mas garantiu que não houve risco à segurança de quem estava na aeronave.
Da poltrona 10A, ao lado da asa direita do avião, Stolarski acompanhou com apreensão o aparecimento dos parafusos:
?Logo depois da decolagem (7h47m), três parafusos bailam soltos pela asa; depois da aterrissagem (8h21m), já não aparecem mais. Assustador, não??
Segundo a Webjet, ?após o pouso da aeronave, de fato foram encontrados parafusos soltos e faltantes no acabamento aerodinâmico, que não tem função estrutural, ou seja, não é responsável por suportar ou segurar o motor do avião.?
A Anac informou que a ausência de parafusos no ponto da aeronave fotografado pelo leitor, tecnicamente chamado de bordo de ataque do painel, não é permitida. No entanto, assim como a Webjet, esclareceu que ?se trata de uma estrutura secundária e não de uma peça estrutural.? A agência se comprometeu a abrir ?um processo de fiscalização para apurar, junto à Diretoria de Manutenção da empresa, as medidas adotadas pela companhia para sanar o problema.?
A Webjet garante que, ?ao constatar o referido problema, providenciou a sua correção, ao realizar a simples substituição dos parafusos. A companhia ressalta que em momento algum a segurança dos passageiros, tripulantes e do voo foi comprometida.? A companhia disse manter ?um rigoroso programa de manutenção diário em todas as suas aeronaves, sendo que o mesmo foi devidamente aprovado pelas autoridades aéreas competentes.?
Em junho de 2011, um avião da Webjet também foi alvo de um flagrante enviado ao Eu-Repórter. Então, o leitor Marcos Sketch mandou uma foto que mostrava um reparo feito com uma fita na fuselagem da aeronave que fazia o voo 6700 (Rio – Porto Alegre). Apesar de o tamanho do reparo ter deixado os passageiros assustados, a companhia e a Anac disseram que a fita pode ser usada em consertos temporários.

Imprimir
Comentários