A Azul Linhas Aéreas suspendeu, por tempo indeterminado, as operações no Aeroporto de Ipatinga, na região do Vale do Aço. Os voos serão cancelados, de acordo com a companhia, por falta de segurança. O anúncio foi feito essa semana. Em nota, a empresa informou que “identificou que a pista do aeroporto de Ipatinga, utilizada para pousos e decolagens, não está atendendo aos padrões operacionais da empresa e, por este motivo, decidiu realizar a suspensão”.

No comunicado, a empresa frisou que não pretende cancelar definitivamente os voos até a cidade mineira, “pelo contrário, espera que as adequações necessárias sejam feitas para que possa o quanto antes voltar a realizar seus voos”, declarou. No site da Azul não é mais possível comprar passagens com destino a Ipatinga nos meses de fevereiro e março. Porém, a companhia ainda disponibiliza bilhetes a partir de 1º de abril.

Segundo a companhia, os clientes que compraram as passagens e têm voos marcados no período de suspensão serão realocados para outros aeroportos. Quem preferir também poderá ter o valor dos bilhetes ressarcidos. “A companhia lamenta eventuais transtornos ocorridos”, declarou.

Desde 2016, o Aeroporto de Ipatinga é administrado pelo governo de Minas. O terminal ainda continua a receber voos pelo projeto Voe Minas, que liga 19 cidades mineiras com a capital.

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) explicou que a companhia não precisa de autorização do órgão para suspender as operações no terminal. Conforme o Blog Tudo viagem, a Azul oferecia, diariamente, cinco voos de Ipatinga para BH. A companhia utilizava a aeronave ATR-72, com capacidade para 70 assentos.

Ações corretivas

Segundo a Anac, o aeródromo foi inspecionado em setembro de 2018 e, na ocasião, “contatou-se a presença de não conformidades no pavimento da pista de pouso e decolagem do aeroporto e também na sinalização das pistas de táxi”.

A agência solicitou que o operador aeroportuário enviasse um Plano de Ações Corretivas (PAC) e outras informações para resolver a situação. “Até o momento, as ações corretivas solicitadas não foram totalmente enviadas pelo operador, motivo da aplicação de medida de restrição operacional”.

Em nota, a Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop), informou que por se tratar de uma questão de segurança dos passageiros, a secretaria não se opõe à decisão da Azul de suspender as operações no local e que está trabalhando para resolver o mais rápido possível a questão. “Com o objetivo de agilizar os processos necessários, a Setop está em diálogo com a companhia aérea e com a Socicam, administradora do aeroporto, em busca de uma solução emergencial para a reativação do terminal”, diz o comunicado.

A Setop esclarece ainda que pedidos para realização de obras de melhorias nas estruturas da pista de pousos e decolagens do terminal são feitos desde 2016, sem que soluções definitivas fossem apresentadas por governos anteriores.

IMPRIMIR

Fonte:

Hoje em Dia