O consumidor que não abre mão do bacalhau no almoço de Páscoa, nem dos tradicionais ovos de chocolate, tem uma boa notícia: o preço do peixe caiu 9,67% em relação ao ano passado. Já os ovos, bombons e chocolates tiveram redução de 10,73%, na mesma base de comparação, de acordo com pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da Fundação Getulio Vargas (FGV). No ano passado, o pescado havia subido 5,73%, enquanto que em 2016 a alta havia sido de 30,73%.

Porém, é preciso ficar atento, pois outros itens que fazem parte da bacalhoada subiram. Em geral, a cesta de Páscoa ficou 2,61% mais cara em 2018, ante aumento de 0,36% no ano passado, aponta a pesquisa. “Alguns produtos tiveram alta significativa”, afirma o economista da FGV, André Braz, coordenador da pesquisa. Dois grandes vilões – que não foram incluídos na pesquisa da fundação – são o tomate e a cebola. Segundo o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), o preço do tomate subiu 46,38% em 12 meses e a cebola teve aumento de 34,37%.

Subiram ainda os preços da batata-inglesa (16,18%), sardinha em conserva (11,82%), atum (5,74%), pescados frescos (4,79%) e vinho (2,89%).

Vale lembrar que o índice médio dos itens pesquisados ficou abaixo da inflação acumulada em 12 meses. A prévia do IPCA, que é a inflação oficial do país, ficou em 2,8% neste mês. Já o IPC-10, índice medido pela FGV, está em 2,87%.

Braz ressalta que há, além dos ovos, bombons e chocolates, outros produtos em queda, como o azeite (-0,65%), azeitona (-1,65%), ovos (-2,02%) e couve (-16,39%).

O economista ressalta, porém, que o estudo foi feito antes da Semana Santa, e que os preços podem estar mais caros nesse período. “A pesquisa não mostra, em definitivo, o que o consumidor vai encontrar para a Páscoa. Às vésperas, além desse aumento de 4,79% do pescado fresco já registrado, o preço do peixe pode subir mais porque a demanda aumenta”, explica.

Compre já

 Segundo o economista André Braz, da Fundação Getulio Vargas (FGV), agora é a hora para comprar. “Quem deixar para a última hora poderá encontrar preços maiores”, afirma.

Planeje Calcule preços e quantidade da compra. Pesquise antes de comprar e evite se endividar ou usar o cartão de crédito. Uma mesa farta não pode representar desperdício ou problemas no futuro.

Compartilhe Divida os custos e compartilhe as compras. Se o orçamento ainda está curto, proponha dividir as despesas com os amigos e os familiares convidados. Uma sugestão é cada um levar um prato, o que alivia o bolso e aumenta a diversidade na refeição.

 

Fonte: O Tempo Online||

Imprimir

Comentários