Técnicos da Agência Nacional de Mineração estiveram em Congonhas, na região Central de Minas, nesse domingo (22), para avaliar a barragem de Josino, da empresa Ferro + Mineração S.A, que transbordou na última sexta-feira (20). As informações foram divulgadas pela própria ANM. 

De acordo com a agência, uma forte chuva atingiu a cidade por volta das 16h de sexta e durou cerca de uma hora e meia. Com o volume, o material acumulado na barragem vazou, lançando sedimentos de mineração a jusante. Mas a estrutura não se rompeu, garantiu a ANM.  

Construída pelo método a jusante, a barragem tem 16,6 mil m3, 9 metros de altura e está classificada dentro da Política Nacional de Segurança de Barragens, com categoria de risco baixo e dano potencial associado médio. 

“A empresa Ferro + Mineração S.A, responsável pelo empreendimento, enviou à ANM, no último dia 30 de setembro a Declaração de Condição de Estabilidade e, segundo extrato de inspeção regular enviado em 05 de dezembro, a barragem não possuía anomalias”, esclareceu em nota a ANM.

Outra barragem

É na cidade de Congonhas que fica uma das maiores barragens em área urbana do país, a Casa de Pedra, da CSN Mineração, que não registrou nenhum problema por causa da chuva de sexta.

Em novembro, moradores do entorno da Casa de Pedra ficaram apreensivos por causa de um tremor de terra de magnitude 3,2 na escala Richter. A principal preocupação era que o abalo tivesse afetado, de alguma forma, a estrutura, podendo provocar seu rompimento

Na ocasião, a CSN Mineração informou que o tremor não tinha causado nenhuma anomalia na estrutura. Técnicos da Agência Nacional de Mineração (ANM) vistoriaram a barragem e também descartagem qualquer irregularidade.

 

Fonte: Hoje em Dia ||
Imprimir
Comentários