A taxa de desocupação de julho de 2012, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) foi de 4,4%, resultado de 2,585 milhões de ocupados sobre uma população economicamente ativa de 2,704 milhões. É a menor do ano até o momento. Os dados são da Pesquisa Mensal de Emprego (PME), do IBGE, divulgados nesta quinta-feira, 23 de agosto.
Estatisticamente, houve uma relativa estabilidade em comparação com o mês de junho, quando a taxa foi de 4,5%. A pesquisa aponta uma redução estatística de mil pessoas na PEA, ou seja, não houve nem aumento nem queda no número de pessoas trabalhando em comparação com o mês passado. No comparativo anual, a taxa reduziu em 0,3%. No último ano, o aumento de ocupados foi de 12 mil, enquanto apenas 3 mil pessoas se tornaram economicamente ativa. Isto demonstra que o mercado metropolitano continua fortalecido e crescente.
A maior parte dos empregos assalariados, gerados no mês, foram na economia formal: 11 mil novos assalariados com carteira assinada, contra um aumento de 9 mil dos empregados informais no mês de julho, no comparativo com junho. O aumento dos informais foi expressivo, mas o movimento de formalização também ocorreu e superou o crescimento dos trabalhos desprotegidos. Em relação a julho do ano passado, o movimento de formalização apresentou um acréscimo de 3,7% no número de assalariados formais contra uma queda de 3% nos trabalhadores sem carteira assinada.
No último mês, a RMBH observou um aumento de 18 mil trabalhadores com destaque nas atividades de comércio e reparação (total 408 mil); 2 mil na administração pública (455 mil); e 7,7 mil em outros serviços (424 mil). Mas com queda na indústria de 15 mil ocupados (408 mil); 10 mil nos serviços financeiros e destinados às empresas; 5 mil nos serviços domésticos e 2 mil na construção civil.
No comparativo anual, a RMBH apresentou recuo na indústria e serviços domésticos, de 42 mil e de 20 mil ocupações respectivamente. Por outro lado, os setores que mais cresceram foi a construção civil com 19 mil, a administração pública com 18 mil e o comércio com 15 mil. O rendimento real médio, recebido foi de R$ 1.726,00 em julho. Com média de 31 reais a menos que no mês anterior, uma queda de 1,8%. Contudo, no mesmo período do ano passado o trabalhador da RMBH ganhava em média R$ 1.641,63 em valores reais, ou seja, houve um acréscimo de 5,2% na renda gerada nesta região.
Para o secretário de Estado de Trabalho e Emprego, Hélio Rabelo, Minas tem intensificado nas políticas públicas de trabalho, emprego e renda. ?Estamos satisfeitos com os números alcançados. Para o Governo de Minas, por meio da Sete, a qualidade do emprego continua sendo a nossa prioridade?.
A Pesquisa Mensal de Emprego é realizada nas regiões metropolitanas de Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre. A greve dos servidores do IBGE impossibilitou a taxa média das seis regiões, por falta de dados sobre o Rio de Janeiro e Salvador.

print
Comentários