O prefeito de Betim, Vittorio Medioli (PSD), anunciou em suas redes sociais, nessa quinta-feira (11), a compra de 1,2 milhão de doses da vacina russa Sputnik V contra a Covid-19.

O imunizante tem eficácia de 91,6% contra as formas sintomáticas da doença, e os resultados dos estudos foram publicados na revista científica “The Lancet” e validados por especialistas independentes.

Em fevereiro, o Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou Estados e municípios a comprarem e a distribuírem vacinas contra a Covid-19. O Congresso também aprovou uma lei que permite a aquisição de doses pelos municípios, Estados e empresas privadas, que, inclusive, foi sancionada na quarta (10) pelo governo federal.

Segundo o prefeito de Betim, a previsão é que os imunizantes cheguem na segunda quinzena de abril. Serão investidos R$ 11,6 milhões na compra das vacinas, montante proveniente do programa de anistia fiscal realizado pela prefeitura este ano. “Os municípios foram autorizados a comprar as vacinas. Hoje [quinta], tivemos uma reposta positiva do governo russo para comprarmos 1,2 milhão de doses, e eles aceitaram o nosso pedido. Acreditamos que as vacinas cheguem na segunda quinzena de abril. Com essa quantidade, vamos vacinar 600 mil pessoas, sendo todos os moradores de Betim e também a população flutuante do município”, declarou o prefeito.

A previsão do município é que, com as doses chegando na segunda quinzena de abril, toda a população deverá ser vacinada até o meio do ano. A vacina Sputnik V é aplicada em duas doses, com intervalo de 21 dias entre cada aplicação. “Se tudo der certo e não houver sabotagem, pois sabemos que o Brasil tem dessas coisas, vamos conseguir vacinar toda a nossa população e nos livrar mais rápido desse vírus que está causando tantos problemas e mortes. Vamos fazer um mutirão de vacinação, pois temos insumos, seringas. Até porque, só há possibilidade de retornar com as aulas presenciais quando todos estiverem vacinados. Só na Educação, são 8.000 servidores e 59 mil alunos que precisam ser vacinados”, acrescentou o prefeito.

De acordo com Medioli, por ser uma cidade polo, tanto na área industrial quanto na de Saúde, Betim atrai milhares de pessoas de outras cidades do país. “Compramos essa quantidade de doses porque Betim recebe muitos moradores de fora, é um polo logístico com grandes empresas, além de sermos referência para quase 800 mil pessoas nos serviços de saúde. Temos o interesse em imunizar a nossa população e a flutuante também”, completou.

Para o médico e secretário adjunto de gestão da Saúde, Augusto Viana, o controle da pandemia do coronavírus passa pela vacinação. “A ciência aponta que a principal saída é a vacinação. Esse é o caminho. Entendemos que a responsabilidade da imunização seria dos governos federal e estadual, mas, diante das dificuldades para adquirir doses, o município se articulou para comprar o imunizante. Isso nos dará mais segurança para retornar com as atividades. No entanto, os cuidados de prevenção devem continuar”, disse.

Fonte: Jornal de Patrocínio

print
Comentários