O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), afirmou, nesta terça-feira (12), que a estrutura pública do município está preparada para aplicar a vacina contra a Covid em até 24 horas após a chegada das doses à capital.

“Eu só preciso da vacina. Entregando, 24 horas depois BH começa a vacinar”, disse, informando que o imunizante escolhido deverá ser a CoronaVac, que está sendo produzida pelo Instituto Butantan.

Segundo o gestor, ainda não há data para que isso ocorra, já que a metrópole depende do envio do imunizante pelo governo federal. As declarações foram dadas durante entrevista à rádio CBN. 

Kalil disse que chegou cogitar a compra própria das doses, caso a União não tivesse aceitado o imunizante fabricado no Brasil, mas a medida não será necessária.

“O meu plano A é seguir o Plano Nacional de Vacinação, que é muito ágil. É só entregar a vacina para BH que nós vamos vacinar com a maior velocidade possível”, declarou.

Segundo o prefeito, BH deverá receber um lote de 2,7 milhões de doses. O número seria suficiente, na análise do gestor, para imunizar, em primeira dose, toda a população da cidade.

Kalil também informou que a capital já tem “quantidade até superior” (em comparação ao lote previsto de 2,7 milhões) de seringas em estoque na Secretaria Municipal de Saúde.

Vacina ‘tartaruga’

Ao responder uma pergunta sobre o cenário que levou Kalil a decidir pelo fechamento da cidade, o gestor utilizou o termo “vacina tartaruga”. Ele também citou a elevada taxa de ocupação de leitos no município. 

“Nós não conhecemos, pode até existir, mas não se conhece outra solução para baixar esses números (de ocupação de leitos) até que essa vacina ‘tartaruga’ chegue a nós, do que o isolamento social, do que o uso de máscara, do que ficar em casa”, disse.

Fonte: Hoje em Dia

Imprimir
Comentários