Redação Últimas Notícias

Após os casos de intoxicação envolvendo a cervejaria Backer ganhar notoriedade nos veículos de comunicação do país e causar apreensão em muitos consumidores, um novo boato viralizou nas redes sociais.

O rumor que está circulando nos grupos de WhatsApp é sobre um suposto risco na ingestão de cerveja com rodelas de limão. De acordo com o portal Boatos.org, o boato viralizou nas redes sociais em 2014, mas com os casos registrados em Minas, se tornou super atual.  O texto recebeu uma “repaginada” e as datas foram alteradas para janeiro de 2019.

A mensagem que viralizou aponta uma história que teria ocorrido em uma casa noturna na cidade de Balneário Camboriú/SC. No relato, uma mulher identificada como Michelle Martins Carvalho Muniz, relata sobre a morte do irmão após tomar “cerveja com rodelas de limão”.

Na mensagem, a mulher conta que o irmão tomou a cerveja com limão e passou mal no dia seguinte. Após quatro dias de internação ele teria morrido. O texto contém ainda uma “explicação científica” sobre a reação química do ácido cítrico contido no limão “velho” com os conservantes estabilizantes presentes na cerveja.

De acordo com o portal E-Farsas, a casa noturna citada no texto existe mesmo e se localiza em Balneário Camboriú, mas no local não é servido cerveja em garrafas, apenas em latas.

Confira na íntegra o texto que circula nas redes sociais:

“LIMÃO NO COPO – avise ao maior número de pessoas (NÃO DELETE)

 MICHELLE MARTINS CARVALHO MUNIZ – Fisioterapeuta Dermato Funcional

 Venho, através desta, informar um desastre ocorrido, infelizmente, em minha família.

 Viajei com meu irmão na passagem do ano para a famosa praia de CAMBORIÚ-SC. No sábado (03/01/19) fomos nos divertir em uma casa noturna chamada IBIZA onde havia muita gente bonita, ambiente aconchegante. Foi uma noite superdivertida.

 No domingo de manhã meu irmão acordou com fortes dores no estômago, febre alta e espasmos musculares.

 De imediato levamos ao HOSPITAL SANTA INÊS em Balneário Camboriú. Muitos exames e 4 dias de internamento depois, de início, eu suspeitava que os médicos soubessem o que ele tinha, mas não queriam contar.

 Falavam que, possivelmente, fosse uma Salmonella, mas eu descartei a possibilidade já que nossa alimentação havia sido somente em casa. No dia 08/01/19 meu irmão infelizmente veio a falecer e, como os médicos ainda não haviam nos passado o diagnóstico, contatei meu advogado que entrou em contato com o Hospital.

 Tivemos uma reunião diretamente com o Diretor do Hospital. Para nossa surpresa o caso era o seguinte: as casas noturnas servem cervejas LONG NECK, e muitas pessoas pedem para que seja colocada uma FATIA DE LIMÃO para um ‘toque especial’ (e porque não dizer mortal).

 Decidi fazer umas pesquisas por conta própria, já que tenho um amigo próximo, pesquisador da escola de biologia Universidade Federal de Santa Catarina. Desta forma, pude descobrir que, apesar de tudo estar sendo abafado pelos fabricantes de cerveja, o problema, está nos limões fatiados que não são utilizados prontamente, e muitas vezes eles são fatiados antes mesmo dos bares e restaurantes abrirem, durante a tarde. Ácido cítrico do limão ‘velho’ em ação com os conservantes estabilizantes excessivos presentes na cerveja são um paraíso para micro-organismos já existentes naturalmente nas cervejas (SacarovictusCoccusCevabacillusativus) se tornando um veneno letal tipo draft.

 O resultado é a produção de uma toxina altamente nociva ao nosso organismo. A sugestão para quem talvez não acredite nesta mensagem seria pedir que o garçom fatie o limão NA HORA E NA SUA FRENTE, isso minimiza e muito risco de qualquer tipo de infecção…

 Peço humildemente que divulguem este e-mail, nada trará meu irmão novamente, mas muitas vidas poderão ser poupadas.

 Nessa até refrigerante com a famosa fatia de limão, ou a cuba libre. PROTEJAM-SE E PROTEJAM OUTRAS VIDAS!!!!!!!!!

 LIMÃO NO COPO – avisem os filhos, amigos, irmãos, enfim todos

 Não guardem o limão depois de cortado, nem na geladeira”.

Imprimir