Primeiro, uma sensação de perigo toma conta do corpo. Não é possível detectar uma ameaça real ou um motivo específico, mas o medo chega e se apossa. Em seguida, vêm as palpitações, a alteração no ritmo da respiração, a falta de ar e a sensação de opressão no peito. O coração parece estar a ponto de explodir, as mãos começam a tremer como se você se preparasse para enfrentar algo terrível.

A descrição acima nada mais é do que os componentes fisiológicos de uma reação ansiosa que atinge a maioria dos que sofrem de transtorno de ansiedade generalizada (TAG). Os sintomas e a intensidade variam de pessoa para pessoa. O período, também. Tudo pode chegar e desaparecer em um piscar de olhos, mas é possível que dure horas, exigindo técnicas ou medicamentos para cortar a evolução das manifestações.

Geralmente, não é possível identificar o que desencadeou as reações tão abruptas e extemporâneas. Você fica aturdido e não entende por que está sofrendo essas crises, que se repetem uma, duas ou mais vezes por mês – algumas pessoas passam pela mesma situação inúmeras vezes em uma mesma semana. Segundo o neurologista Marcio Balthazar, o TAG está descrito no Manual de Diagnóstico e Estatística dos Transtornos Mentais (DSM 5) como ansiedade ou preocupação excessiva acerca de diversos eventos ou atividades. De acordo com o médico, a intensidade, a duração ou a frequência da ansiedade são desproporcionais à probabilidade real ou ao impacto do evento antecipado.

Pesquisa recente da Organização Mundial da Saúde (OMS) revelou que brasileiros são os que mais sofrem de transtornos de ansiedade no mundo. Os dados alarmantes sobre a situação mental no país apontam que 23,9% da população têm algum tipo de transtorno de ansiedade. O psiquiatra Victor Soares, da clínica Anankê, acrescenta que o sentimento de ansiedade – quando não relacionado ao transtorno – é saudável. “Quando somos confrontados com um problema ou uma dificuldade, a sensação despertada é a apreensão e uma certa angústia para que a situação seja resolvida. É como um impulso do organismo para que possamos lidar com as dificuldades”, explica.

Em alerta 

Patrícia Shimata Kikuchi, fisioterapeuta especializada em estresse pós-traumático através do corpo, atribui a maior parte do aumento nos casos de TAG ao grande volume de informações ao qual estamos expostos diariamente. “Hoje, as pessoas têm acesso muito rápido às informações, e a mente não consegue processar tudo isso corretamente ou acomodar as emoções causadas. Antes de olhar para uma fato, processar e resolver, o indivíduo já foi bombardeado com diversos outros elementos”, esclarece.

A maioria dos especialistas questionados afirma ainda que o alto nível de cobrança que as pessoas enfrentam em suas vidas pessoal e profissional também funciona como um gatilho para o desenvolvimento do TAG, bem como outros distúrbios psiquiátricos ou físicos.

O servidor público Alexandre Delgado da Silva, de 43 anos, foi uma das pessoas que desenvolveram o TAG a partir de uma frustração relacionada ao trabalho e à condição financeira. “Não era uma dificuldade em si, mas percebi que ainda ia demorar para que chegasse à condição que queria. Comecei a ficar ansioso.”

Alexandre sofre de insônia há muitos anos, porém nunca tinha associado o problema ao TAG. Na virada do ano passado, ele percebeu o início de um tique nervoso no olho. As piscadas involuntárias logo se tornaram crônicas e viraram um inconveniente na vida do servidor.

Depois de um período de automedicação, Alexandre optou por buscar auxílio médico. Foi a um neurologista e a um psiquiatra. O primeiro descartou causas fisiológicas e o segundo detectou e diagnosticou o TAG. Assim, Alexandre iniciou um tratamento com medicamentos alopáticos para tratar o tique – motivo de incômodo constante – e começou a fazer terapia para buscar as causas da ansiedade e tentar minorar seus efeitos físicos. “Não tinha pensado que poderia ser ansiedade, pois eu não tinha outros sintomas. Meu corpo, porém, buscou uma forma para expressar aquilo e, hoje, faço terapia para tentar eliminar as causas dessa ansiedade”, afirma.

O servidor acrescenta que o processo de cura é lento. Após o início dos remédios, teve 90% dos sintomas físicos controlados. O tique no olho se transferiu para momentos de irregularidade na respiração. Ele acredita ainda que a situação do país, que traz sensação de incerteza e insegurança para grande parte da população, pode ser uma das causas do aumento do TAG e uma explicação para a liderança do país na pesquisa da OMS.

Autocobrança excessiva 


Reconhecer que tem algo errado é o primeiro passo para lidar com as crises de ansiedade. Procurar ajuda de especialistas é fundamental para resolver os problemas que têm solução.

O sentimento de cobrança foi o que levou a servidora pública Simone de Fátima Motta Soares, de 49 anos, a manifestar crises de ansiedade. “Sempre soube que tinha uma tendência a ser ansiosa demais, mas, depois que fui mãe, queria ser perfeita. Queria dar conta de todas as responsabilidades, trabalho, casa, filhos, marido”, explica. Há cerca de cinco anos, a autoexigência trouxe insônia, irritabilidade, mudanças de humor, aperto no peito e sensação de nunca dar conta de nada. Simone descobriu ter TAG e começou um tratamento medicamentoso e psicológico. “Foi muito bom. Comecei a resolver meus problemas sem aquele aperto no peito, sem fadiga”, lembra.

Preocupada com o aumento no número de casos de ansiedade, Simone afirma que o motivo pelo qual aceitou participar desta reportagem foi ajudar pessoas com o mesmo problema. “Quando percebemos que tem algo errado, é importante buscar socorro. As pessoas ainda têm muita resistência e preconceito. Rotulam os que vão ao psiquiatra, mas trata-se de uma especialidade médica como qualquer outra, que ajuda a curar doenças”, ressalta. Simone ainda faz uso de remédios e se mantém firme na terapia. “Hoje, minha frequência com os medicamentos diminuiu e, em breve, espero poder ficar bem sem eles.”

Nesse contexto, é imprescindível ressaltar que o transtorno de ansiedade generalizada não é um problema sem solução. “Recomenda-se, idealmente, uma abordagem multifacetada. De um lado, o uso de medicamentos antidepressivos sob supervisão de médico psiquiatra. De outro, o tratamento psicológico, que ajuda a pessoa a construir formas de suavizar o sofrimento e a progressão da crise”, pondera a psicóloga Ana Brunetto Tancredi. O aprendizado de técnicas de relaxamento mental também pode ajudar.

Infância sobrecarregada 

Tratando pacientes com TAG há 40 anos, o médico Alexander Saliba, clínico geral e pediatra especialista em homeopatia, preocupa-se com o aumento no número de casos, principalmente em pacientes cada vez mais jovens. “Já tratei criança de 4 anos que roía as unhas por causa da ansiedade. Mas o que causa isso nas crianças, se elas, supostamente, não têm preocupações? O excesso de informações, de computador e de jogos angustiantes está entre os maiores culpados”, afirma.

O especialista garante ainda que o número cada vez maior de responsabilidades impostas aos pequenos, como diversas aulas, excesso de estudos e ausência de tempo livre podem contribuir para o surgimento de um quadro de ansiedade. A cobrança dos familiares com relação a essas atividades e ao sucesso também são gatilhos. Problemas de estômago, como gastrites e oscilações de apetite, irritabilidade e isolamento são alguns dos sintomas que as crianças apresentam com mais frequência.

Os profissionais da saúde tendem a adiar ao máximo, ou mesmo eliminar, a necessidade do uso de alopáticos. Alexander, por exemplo, procura tratar as causas da ansiedade por meio de medicamentos homeopáticos e por indicação de terapia. Para o psiquiatra Victor Soares, as crianças respondem muito mais à psicoterapia, normalmente o primeiro tratamento indicado. A equipe tenta ainda identificar e eliminar fatores ambientais que possam agravar o caso. “Só usamos o medicamento alopático em último caso, mas, ainda assim, existem remédios seguros para essa faixa etária”, afirma.

IMPRIMIR
Fonte:

Estado de Minas