O Corpo de Bombeiros vai suspender as buscas pelo corpo de Felipe Tadeu Benedito, de 30 anos, que desapareceu após pular de uma embarcação no Lago de Furnas. O caso ocorreu no início da noite de 27 de junho, nas imediações da ponte do Rio Turvo, em Capitólio. Até nesta terça (14), o corpo não havia sido localizado.

O comandante da 2ª Companhia dos Bombeiros de Passos, primeiro-tenente Daniel Alves, revelou que as buscas pelo corpo de Felipe nas águas da represa serão totalmente encerradas nesta quarta-feira (15).

“[A decisão ocorreu] Em função da logística para o deslocamento dos soldados de Guaxupé, Passos, e da área a ser buscada já ter sido totalmente varrida. Outros detalhes são que as ações dos mergulhadores são bastante dificultadas em razão da profundidade, turbidez da água e a enorme quantidade de galhos de árvores, na qual o risco para a integridade física dos militares exceder o limite aceitável para as buscas em se tratando de possível óbito, e quando todos os meios possíveis e disponíveis foram utilizados”, explicou.

A Marinha do Brasil (MB) informou que a Delegacia Fluvial de Furnas (DelFurnas) tomou conhecimento na manhã de 28 de junho do desaparecimento de Felipe, que teria saltado de uma embarcação, no Rio Turvo. Imediatamente, a DelFurnas enviou uma equipe de busca e salvamento ao local, para auxiliar na ocorrência. No momento do ocorrido, o próprio condutor da embarcação procurou pelo banhista, mas não obteve sucesso.

A MB realizou as buscas, diariamente, no período entre o nascer e o pôr do sol, até domingo passado (12), com equipes compostas por três a oito militares, que utilizaram uma moto aquática e uma embarcação de casco semirrígido, em coordenação com mergulhadores do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais.

De acordo com o delegado Fluvial de Furnas, o capitão de corveta Fábio Luis Moreira Jacobucci Bambace, dias após o afogamento, testemunhas que estavam na mesma lancha que Felipe prestaram esclarecimentos por meio de cartas explicativas.

“Todas afirmaram que a vítima saltou da embarcação, com capacidade para dez pessoas, que estava em perfeitas condições de navegação, e que o condutor não havia ingerido bebida alcoólica”, afirmou Bambace.

Polícia Civil

A pedido do advogado da família e de um dos irmãos de Felipe, foi aberto Inquérito Policial (IP) para apurar se houve fatores extras que culminaram no afogamento. O delegado Fernando Henrique Turini Berdugo revelou ontem que 13 pessoas envolvidas no caso já foram ouvidas e as diligências estão sendo realizadas.

“Até o momento não há novidades em relação ao que já foi apurado que possam ser reveladas”, disse. O IP não tem previsão para ser concluído.

O caso

No dia 27 de junho, a vítima, moradora de Carmo do Rio Claro, teria pulado de uma lancha em movimento, na qual ele estava com mais nove pessoas, incluindo o proprietário da embarcação.

Segundo testemunhas, ao cair na água, Felipe não mais foi visto – eles asseguram que nem sequer ouviram pedidos de socorro.

Fonte: 104,3 FM

Imprimir
Comentários