Em pleno mês em que é realizada a campanha nacional de conscientização “Outubro Rosa”, que tem como objetivo principal alertar as mulheres e a sociedade sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama, o secretário municipal de Saúde, Ronan Rodrigues de Castro Júnior, esteve na reunião da Câmara Municipal de segunda-feira (24), e explicou sobre a real situação do município quanto aos exames de mamografia.

O médico falou sobre a crise financeira da pasta e solicitou ajuda aos vereadores para solucionar o problema, já que o mamógrafo do município está quebrado há meses e as pacientes precisam ir até a cidade de Santo Antônio do Monte para se submeterem ao exame que pode salvar a vida delas.

De acordo com Ronan, foi feito um levantamento de preços a administração se interessou por um aparelho orçado em cerca de R$360 mil. Durante a discussão, a Mesa Diretora da Casa e todos os vereadores, com exceção de Mauro César, que não esteve presente na reunião, concordaram em sugerir ao Executivo que os R$260 mil economizados, as sejam usados na aquisição do aparelho.

“Na ocasião, todos os vereadores concordaram. Dessa forma, repassaríamos a metade no dia 22 de novembro e o restante no dia 22 de dezembro. Mas precisamos saber se a Prefeitura iria arcar com o restante, cerca de R$100 mil”, explicou o presidente do Legislativo, Evandro Donizeth da Cunha (Piruca).

Piruca disse também que em reunião com Eugênio Vilela, o prefeito eleito solicitou que a Câmara fizesse essa devolução para a compra de um novo mamógrafo.

O vereador Flávio Couto também concordou com a devolução, mas disse que era necessário que o Executivo enviasse para a Câmara, por escrito,um documento confirmando que concorda com a proposta e se poderá complementar com o valor restante.

O secretário de Saúde explicou que a pasta conta com R$200 mil em caixa para comprar um mamógrafo digital, mas o valor do aparelho é de aproximadamente R$1 milhão. “Esse R$200 mil terão que ser devolvidos para o governo estadual. Sabemos que é impossível adquirir o aparelho nesse valor. No Brasil, são poucos os lugares que contam com esse aparelho digital. Além disso, não temos condições de manter um aparelho desses devido ao alto custo da manutenção. Sobre os aparelhos analógicos, fizemos a cotação de preço em três empresas. A credibilidade do município é ruim e isso dificulta que as empresas negociem conosco. Expliquei isso ao prefeito e ele já está ciente”, disse Ronan.

 

(foto: Gleiton Arantes)

Em relação ao mamógrafo que está quebrado, o secretário informou que o conserto é inviável, pois além do alto valor de algumas peças, o aparelho está sucateado. “Está faltando muitas peças no aparelho e as que estão quebradas têm um custo muito alto para serem consertadas, a ampola, por exemplo,que está queimada custaria em torno de R$50 mil. Hoje, o conserto do aparelho chegaria a R$100 mil”. 

Insistindo numa postura que assumiu nos últimos meses, Cabo Cunha reforçou que só dará os pareceres dele em projetos que estão tramitando na Câmara quando a Prefeitura confirmar a aquisição de um novo mamógrafo ou a compra desse serviço. Vale lembrar que há cerca de dois meses, os vereadores não votam nenhum projeto por falta dos pareceres, o que impede que as propostas sejam incluídas nas pautas de votação.

Raio-X

Também foi questionado durante a reunião, pelo vereador Arnaldo Gontijo, sobre o aparelho de raio-x que está parado e encaixotado há meses na porta do Pronto Atendimento Municipal (PAM),

Ronan disse que a situação está sendo estudada pela Secretaria de Saúde e por uma comissão escolhida pelo prefeito Eduardo Brás “Aquele aparelho é estimado por nós. Fizemos uma busca de preços para a manutenção, para saber se isso ela é viável ou não. Mas o problema não é só esse. As salas onde ele poderá ser instalado são pequenas e vamos ver a melhor forma para este caso. Se instalarmos aquele raio-x que está lá no PAM, teremos que mexer na estrutura  daquela unidade de saúde. Outra alternativa seria comprar outro aparelho de raio-X. Essa questão está sendo averiguada também pela equipe de transição e pela Secretaria de Obras”, explicou Ronan.

Na Prefeitura

O portal entrou em contato com a Prefeitura para saber sobre a possibilidade da administração municipal complementar esse valor para a compra do aparelho. Na quarta-feira (26), a Secretaria de Comunicação enviou a seguinte nota:

O referido repasse é uma obrigação constitucional da Câmara Municipal de Formiga, na qual deve devolver todo recurso recebido da Prefeitura de Formiga que não foi utilizado. Este ano a Prefeitura de Formiga repassou aproximadamente R$375.000 mil mensais a Câmara Municipal, o que deve ultrapassar 4 milhões de reais até o final do ano. A Prefeitura de Formiga reconhece e parabeniza a nobre intenção dos vereadores. Toda sugestão vinda da Câmara deve ser recebida com a devida seriedade e atenção. A Prefeitura de Formiga aguarda a oficialização das indicações e a devolução do repasse”.

Atualizada às 16h45

 

print

Comentários