Um candidato a instrutor de trânsito em Divinópolis foi condenado pela 9ª Vara Criminal de Belo Horizonte a dois anos de prisão. Contudo, como o acusado não possui antecedentes criminais, o Tribunal substituiu a pena de prisão pela prestação de serviços à comunidade e limitação de fim de semana.

De acordo com o Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais (TJMG), a denúncia diz que, em 2014, o rapaz, cuja idade não foi divulgada, realizou cursos em Divinópolis e tentou homologar um registro na Coordenação de Educação de Trânsito do Departamento de Trânsito de Minas Gerais (Detran/MG) com um histórico escolar falso.

O histórico apresentado pelo candidato seria de uma escola estadual na cidade de Carapicuíba, em São Paulo. Contudo, segundo a sentença, o Detran suspeitou do documento e registrou um boletim de ocorrência contra o homem.

A escola declarou ao órgão que não reconhece a validade do documento. Segundo o TJMG, a escola também afirmou que não foram encontrados registros do candidato como aluno.

A sentença, proferida pela juíza Christina Bini Lasmar, considerou que o homem cometeu crime de falsificação e utilização de documento público.

 

 

Fonte: G1||

Imprimir

Comentários