O número de casos prováveis de dengue (confirmados e sob investigação) no Centro-Oeste de Minas subiu para 106, segundo o boletim epidemiológico divulgado nessa segunda-feira (29) pela Secretaria de Estado da Saúde (SES).

O levantamento ainda aponta que a região já apresenta os primeiros casos suspeitos de febre chikungunya, outra enfermidade que, assim como a dengue, tem como transmissor o mosquito Aedes aegypti. Por enquanto, nenhuma ocorrência de zika vírus foi registrada.

No boletim anterior, publicado em 15 de janeiro, havia 20 registros de febre amarela sob investigação ou confirmados na região e nenhuma suspeita de febre chikungunya e zika vírus.

Estrela do Indaiá e Serra da Saudade

Entre os casos de dengue, a situação mais preocupante no Centro-Oeste de Minas é o de Estrela do Indaiá. Com 12 ocorrências prováveis da doença, a cidade com pouco mais de 3,5 mil habitantes é classificada com alta incidência do vírus.

Divinópolis também apresenta 12 registros entre investigados e confirmados, mas, por ter uma população bem maior (acima de 200 mil moradores), a incidência é analisada como baixa.

Outro município que aparece em destaque no boletim epidemiológico é Serra da Saudade. Considerada em 2015 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) como a menos populosa do Brasil, com 818 habitantes, a cidade está com duas suspeitas de dengue e é classificada de médio risco para dengue.

A exemplo de Divinópolis, os demais municípios da região são classificados como de baixa incidência para a doença. Apesar disso, em números absolutos, Nova Serrana, é o município com o maior número de casos em apuração até esta segunda: soma 19 registros.

Nova preocupação

Em relação à febre chikungunya, Divinópolis, Luz, Pompéu e São Sebastião do Oeste concentram as seis ocorrências em apuração.

A doença é a transmitida pelo Aedes que mais matou no Brasil em 2017: foram 173 óbitos no país. A chikungunya provoca febre, dores nas articulações e pode causar até um novo tipo de reumatismo. Existem quadros sem dor, dor leve, moderada e grave. Em 50% dos casos, elas se tornam crônicas.

Confira abaixo casos prováveis de dengue e chikungunya em números na região:

Dengue

Arcos – 4
Bambuí – 3
Carmo do Cajuru – 1
Carmópolis de Minas – 1
Cláudio – 1
Conceição do Pará – 6
Divinópolis – 12
Dores do Indaiá – 2
Estrela do Indaiá – 12
Formiga – 8
Igaratinga – 4
Itapecerica – 3
Lagoa da Prata – 2
Luz – 1
Moema – 5
Nova Serrana – 19
Pains – 1
Pará de Minas – 3
Pedra do Indaiá – 1
Pitangui – 4
Piumhi – 4
Pompéu – 2
São Gonçalo do Pará – 5
Serra da Saudade – 2

Chukungunya

Divinópolis – 1
Luz – 1
Pompéu – 2
São Sebastião do Oeste – 2

Em Minas Gerais

Minas Gerais contabiliza até esta segunda-feira 2.221 casos prováveis de dengue e apenas um óbito está em investigação, segundo a SES. Em relação à febre chikungunya, o Estado analisa 496 suspeitas, sem óbitos. Há ainda 17 casos prováveis de zika.

 

Fonte: G1||

Imprimir

Comentários