Mais uma vez, a manutenção na rede de energia elétrica por parte da Cemig causou prejuízos e transtornos para muitas pessoas. A interrupção aconteceu na rua Doutor Teixeira Soares, na última terça-feira (16), a partir das 12h e teria se estendido até por volta das 18h. Com isso, parte da Santa Casa de Caridade de Formiga, o Pronto Atendimento Municipal (PAM), a Secretaria de Saúde, laboratórios, clínicas médicas e outros estabelecimentos comerciais, além de residências, ficaram por mais de cinco horas sem energia.
Inúmeras foram as reclamações, pois o Pronto Atendimento, por exemplo, teve dificuldades para atender aos pacientes; na funerária situada naquela rua, um corpo estava sendo velado ?no escuro?, e uma ?luminária? teve que ser colocada próximo ao rosto do defunto para que as pessoas pudessem enxergá-lo. Pessoas que precisaram dos serviços do PAM, de laboratórios e clínicas tiveram que voltar pra casa sem atendimento.
A secretária de Saúde, Luiza Flora, ressalta que houve transtornos porque não foram avisados do corte no fornecimento de energia, o que colocou em risco produtos que precisam ser mantidos sob refrigeração, como diversas vacinas. Segundo Luiza Flora, houve um acidente no fim do dia e quando o paciente chegou ao PAM não tinha como atendê-lo, o médico plantonista teve que pedir uma sala emprestada na Santa Casa, que tem gerador de energia, para atender à vítima.
Na Santa Casa, o transtorno foi um pouco menor porque a administração do hospital foi comunicada com uma semana de antecedência pela Cemig, por meio de um fax. Porém, esse cuidado não foi tomado com os demais estabelecimentos e residências daquela rua, que não foram comunicados, segundo informou a maioria das pessoas residentes ou que trabalham na rua Doutor Teixeira Soares.
A administradora da Santa Casa, Janaína Oliveira, comenta que o corte de energia não deixa de causar alguns contratempos, mas que no caso do hospital pelo menos eles foram avisados e tem gerador de energia para atender aos setores críticos e de atendimento. Entretanto, a parte administrativa não é contemplada pelo gerador e ficou sem energia a tarde toda de terça-feira. Se viraram como foi possível, com velas e extensões.
No comunicado que receberam da Cemig, o horário previsto para a interrupção era de 12h às 16h, mas, na verdade, se estendeu até por volta das 18h. Segundo a administradora, o motivo informado foi ?manutenção na rede da rua Doutor Teixeira Soares?. Ela conta que avisou a alguns locais, como o Centro Nefrológico, o laboratório que atende nas dependências do hospital, o PAM, os médicos e a comunidade hospitalar. No caso da Secretaria de Saúde, Janaína Oliveira relata que, coincidentemente, cerca de uma hora antes da interrupção, comentou com uma funcionária da secretaria, que confirmou que eles não estavam cientes do corte de energia.
O vereador Gonçalo Faria/PSB, que recentemente criticou a Cemig por interromper o fornecimento de energia na avenida Abílio Machado durante um longo período, em dia de semana, ressalta que recebeu dezenas de ligações de pessoas reclamando sobre a falta de energia naquela rua, que é a região hospitalar da cidade. Ele conta que, desde que foi procurado, tentou falar na Cemig e não conseguiu. A secretária de Saúde também tentou contato por diversas vezes na Companhia Energética e conta que teve que chamar o prefeito Aluísio Veloso/PT para intervir e pedir a agilização dos serviços. Uma das principais críticas é que os serviços poderiam ter sido feitos no final de semana, para evitar menos transtornos.
A redação do Nova Imprensa e Portal Últimas Notícias também tentou obter esclarecimentos na Cemig na semana passada, mas os coordenadores e supervisores não foram encontrados.

Imprimir
Comentários