Com o objetivo de melhorar a qualidade do fornecimento de energia elétrica para os seus clientes, a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) vai investir, até dezembro deste ano, um montante de R$ 280 milhões em reforma de redes, troca e instalação de novos equipamentos, além de podas e adequação da arborização urbana em Belo Horizonte.
Segundo o diretor de Distribuição e Comercialização da Empresa, Fernando Henrique Schuffner Neto, ?o principal ganho para a população será a redução da quantidade de interrupções de energia elétrica e do tempo médio de restabelecimento aos clientes em casos de emergência, além da diminuição das ocorrências no sistema elétrico devido a queda de árvores nas redes de distribuição no período chuvoso?.
Abrangência
Desse montante, R$ 67 milhões serão investidos em obras associadas à renovação de ativos de alta tensão, substituição de equipamentos em subestações e linhas de distribuição que sofreram depreciação, que estão no fim da vida útil e com baixa taxa de desempenho no sistema elétrico.
Outros R$ 125 milhões serão aplicados em manutenção de redes, como podas de árvores (execução de poda e supressão de árvores em conflito com as redes urbanas), substituição de cruzetas (substituição de cruzetas deterioradas em redes urbanas e rurais), limpeza de faixa (manutenção em faixas de redes rurais visando limpar vegetações sob a rede que possam provocar falhas no sistema de distribuição) e reforço na manutenção da iluminação pública (restabelecimento dos pontos de iluminação pública apagados).
Já os R$ 88 milhões restantes serão usados em obras associadas à renovação e exploração de ativos de média tensão e baixa tensão, visando assegurar a qualidade e confiabilidade do sistema elétrico. Serão substituídos ou recuperados redes e equipamentos que apresentam problemas críticos de desempenho, taxa de falha elevada, baixa flexibilidade operativa e fim da vida útil. Dentre os principais projetos estão a blindagem da rede (melhor convivência entre árvores e redes), interligação de circuitos de média tensão (melhoria da flexibilidade operativa do sistema elétrico) e automação do sistema.
Automação
Ainda de acordo com Fernando Schuffner, o destaque dos investimentos vai para o extenso programa de automação da Empresa, que prevê mais do que dobrar, até 2012, o número de religadores (equipamentos responsáveis pela religação automática da rede em caso de defeitos temporários) existentes atualmente.
?No final de 2009, havia 2.211 religadores (trifásicos e monofásicos) instalados nas redes de média tensão da Cemig. Com os novos investimentos, a Empresa irá adquirir cerca de 4 mil religadores, um crescimento de aproximadamente 200% no número dos equipamentos instalados, podendo ultrapassar as 6 mil unidades nos próximos dois anos?.

Imprimir
Comentários