As queimadas em Minas são causadas principalmente pela queima preparatória de pastos e de terrenos para plantio – especialmente em períodos de altas temperaturas e baixa umidade do ar, além da queima de lixos e de tocos de cigarros jogados em beiras de estradas, atingindo a vegetação seca.
A queimada, extremamente prejudicial ao meio ambiente, causa danos aos cabos condutores de energia, podem queimar postes de madeira e provocar choques, causando desligamentos acidentais, o que afeta a todos os consumidores.
Quando o fogo atinge sedes municipais, vários órgãos públicos de saúde e segurança são prejudicados, pois o tempo de restabelecimento de energia nesses casos é elevado devido aos danos provocados na rede elétrica.
Para ajudar a diminuir os índices de focos de queimadas, a Cemig recomenda:
fazer queimadas somente com autorização do IEF (0800 283 6200), Ibama ou órgãos competentes e de forma controlada, com a construção de aceiros e barreiras que impedem a propagação das chamas. O aceiro pode ser feito em forma de vala ou limpeza do terreno, de modo a obstruir a passagem do fogo;
não jogar pontas de cigarro próximo a qualquer tipo de vegetação;
apagar com água o resto do fogo em acampamentos para evitar que o vento leve as brasas para a mata;
não realizar queimadas a menos de 15 metros de rodovias, de ferrovias e do limite das faixas de segurança das linhas de transmissão e distribuição de energia elétrica.
A Cemig lembra que é proibido o uso de fogo em áreas de reservas ecológicas, preservação permanente e parques florestais. De acordo com a legislação, o indivíduo que cometer o crime ambiental terá que responder a processo, com possibilidade de prisão, e deverá pagar multa pelo dano ambiental causado.
Em caso de incêndios, o Corpo de Bombeiros (193) ou as Brigadas Voluntárias de Combate a Incêndios Florestais devem ser avisados o mais depressa possível.

print
Comentários