A Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) divulgou na terça-feira (26), que tem intensificado os esforços para combater as irregularidades na medição nos 774 municípios de sua área de concessão.

Entre 2012 e 2016, a empresa identificou aproximadamente 90 mil ligações irregulares e somente no ano passado, 1.647 ligações clandestinas, popularmente conhecidas como “gatos”, foram desativadas. De acordo com a concessionária, o valor da conta de energia é impactada pelas fraudes, uma vez que a eletricidade desviada é rateada entre os outros consumidores.

Fazer “gato” é crime previsto no artigo 155 do Código Penal e prevê multas e pena de um a oito anos de reclusão, além da obrigação de ressarcir toda energia furtada e não faturada em até 36 meses, de forma retroativa. A prática também pode ocasionar acidentes fatais, além de incêndios e danos à rede elétrica.

De acordo com Marco Antônio de Almeida, gerente de Gestão e Controle da Medição, das Perdas Comerciais e da Adimplência da Distribuição da Cemig, além da sobrecarga na rede elétrica, as ligações irregulares podem causar graves acidentes.  “As ligações irregulares também podem causar danos aos equipamentos elétricos e queda na qualidade da energia, devido às constantes interrupções no sistema elétrico provocadas pela sobrecarga gerada pelo consumo irregular. Além disso, são registradas várias ocorrências de rompimento de fios e queima de transformadores devido a essa prática criminosa”, afirma Marco Antônio de Almeida.

Os consumidores que quiserem informar a Cemig sobre possíveis irregularidades devem entrar em contato pelo telefone 116 – que funciona 24 horas – e também pelos outros canais de comunicação da empresa.

 

Fonte: Assessoria Cemig ||

Imprimir

Comentários