Não ache estranho se, de uma hora para a outra, seu filho insistir em fazer lições de matemática, principalmente nas proximidades da Páscoa. O que uma coisa e outra têm a ver? Tudo, segundo uma descoberta recente dos cientistas.
Após acompanhar dois grupos na solução de equações, especialistas do Reino Unido notaram maior agilidade e número de acertos entre as pessoas que tinham consumido 500mg de flavonóides, substâncias encontradas no chocolate amargo e meio-amargo (a versão ao leite também oferece flavonóides, mas em quantidade bem menor).
A pesquisa foi realizada pela Universidade de Northumbia e indica que o consumo de chocolate escuro (quanto maior a porcentagem de cacau, melhor) favorece a capacidade raciocínio do cérebro ao aumentar o fluxo sanguíneo que corre para a cabeça.
Na verdade, o chocolate não ajuda apenas com a matemática. Ele é um aliado sempre que temos alguma tarefa que exija raciocínio complexo,afirmam os autores do estudo. O vinho tinto e as uvas arroxeadas também contêm flavonóides e, por isso, protegem o coração contra os riscos do infarto, por exemplo.
Mas, pelo teor de gordura em sua composição, o chocolate pode piorar a saúde cardiovascular e provocar problemas futuros no organismo. O ideal é comer, no máximo, 30g por dia, afirma o endocrinologista Frederico G. Marchisotti, do Lavoisier Medicina Diagnóstica/ DASA.

print
Comentários