A chuva que atingiu Oliveira, na madrugada desta quarta-feira (9), causou alagamentos e estragos. As ocorrências foram registradas nos mesmos locais onde foram registradas ocorrências em janeiro deste ano após um temporal.

Segundo a Defesa Civil, não há feridos e nem desabrigados. No entanto, houve inundações de casas e deslizamentos de pequenas quantidades de terra. O Corpo de Bombeiros e a Polícia Militar (PM) também atuam no monitoramento das áreas afetadas.

Famílias são orientadas a deixar residências após chuva em Oliveira
Segundo o coordenador da Defesa Civil, Breno Motteran, o período de chuva forte foi das 4h às 6h no entanto, o ponto crítico da chuva foi às 5h30. Os pontos de alagamentos registrados até o momento são na Avenida São Cristóvão, no Centro, no Bairro Dom Bosco, na Rua Benjamim Guimarães, onde pessoas ficaram ilhadas por alguns minutos.

Na Rua Paracatu, no Bairro São Bernardo, a água entrou em algumas casas. “A água entrou e saiu, mas molhou alimentos, sofás e colchões. Ou seja houve estragos”, destacou Breno.

Foi registrado ainda, um deslizamento de terra ao lado de uma casa. A Defesa Civil e Bombeiros atenderam a ocorrência. Não houve feridos ou danos mais graves. O local foi isolado.

Decreto de emergência

Em janeiro, em decorrência da chuva, o município decretou situação de emergência. Na ocasião moradores foram orientados a deixar suas casas. Segundo Breno, com a chuva desta quarta-feira (9) não será necessário um novo decreto, segundo as avaliações feitas até o momento.

O Corpo de Bombeiros ainda não contabilizou quantos chamados foram registrados para atender ocorrências das chuvas.

Chuva em janeiro

Oito pessoas de duas famílias foram orientadas pelo Corpo de Bombeiros a deixarem as casas após a forte chuva registrada em Oliveira, no mês de janeiro. O município decretou estado de emergência. Segundo os bombeiros, na ocasião, em uma hora foram registrados 75 milímetros de chuva. Não houve feridos.

Após os registros das ocorrências, a Prefeitura promoveu uma força tarefa para a limpeza da cidade e desentupimento de bueiros. Essa mesma ação será realizada desta vez, segundo a Defesa Civil.

Em janeiro, durante o período do temporal, o Corpo de Bombeiros recebeu mais de 30 chamados para atendimento de ocorrências. O córrego Maracanã que corta a cidade transbordou. Nesta quarta-feira (9) o volume de chuva não causou transbordamento.

Casas destelhadas

Ainda em janeiro, as duas famílias precisaram ser retiradas de casa porque o telhado das residências aparentavam riscos, de acordo com os bombeiros e a Defesa Civil. As famílias foram encaminhadas para casas de parentes até que haja uma avaliação do Corpo de Bombeiros.

Matéria do G1

print
Comentários