da redação- Últimas Notícias

A forte chuva que caiu em Formiga na tarde desta segunda-feira (8), mais uma vez assustou alguns lojistas da área central da cidade.

À boca miúda, circula a informação de que com as últimas intervenções feitas pela Prefeitura em razão da implantação das faixas elevadas de pedestres, seriam a causa do não escoamento de água pluvial nas imediações da Praça Getúlio Vargas.

Ouvido a respeito, o secretário de Obras, José Ronaldo Couto, explicou à reportagem que esta afirmativa não condiz com a realidade: “as intervenções que fizemos, ao contrário, apenas conduziram as águas pluviais para a rede de coleta já existente. As canaletas, inclusive, da forma em que foram construídas, dividiram o volume d’água que ali se acumula, direcionando aos antigos bueiros. Estes sim, como ocorre também com a tubulação que chega ao rio, estão hoje, sub-dimencionados. Para resolver este problema, que repito, é antigo, teríamos que construir galerias e tecnicamente, não vejo com bons olhos esta solução pois elas, em razão da topografia ali existente, teriam que ter uma inclinação tal que, com o menor aumento de vazão no curso do rio, facilitariam o retorno da água para a praça. Isto, sem falar no custo e na demora para realizar tal intervenção. Na verdade, o que ocorreu foi que a precipitação ocorrida, totalmente fora dos padrões, gerou o acúmulo de água na praça mas, em poucos minutos após o termino das chuvas, escoou tudo ”.

Questionado sobre a nova dimensão das grelhas construídas na “boca” das canaletas que perpassam as calçadas elevadas, o secretário afirmou: “repito, as canaletas apenas conduzem a água captada para os bueiros e rede já existente. A capacidade de absorção do sistema permanece a mesma. Se as grelhas estiverem limpas, sem obstrução alguma e a chuva não for do tipo desta “tromba d’àgua”, acredito que não teremos problema. Agora, para evitar obstrução de grelhas ou dos próprios bueiros, é preciso que o lixo, sacos plásticos e outros materiais não estejam espalhados pela via pública para serem carreados pela enxurrada. E aí é preciso que a população se conscientize e nos auxilie”, explicou José Ronaldo.  

O volume de água que vindo lá de cima da região da Rua Nova, Rosário, Praça São Vicente Férrer e adjacências não foi captado pela rede de escoamento pluvial e desceu em direção à Praça Getúlio Vargas pela Rua Silviano Brandão. Por seu volume e velocidade, a enxurrada formou um verdadeiro lago na praça, acumulando-se inclusive sobre as calçadas desde a esquina da rua Quintino Bocaiúva  até as imediações da Caixa Federal.

Confira o vídeo a seguir:

 

IMPRIMIR