Após anúncio preliminar da Universidade da Califórnia no final de julho, o sequenciamento genético foi feito e os cientistas confirmaram: uma nova versão do vírus do ebola foi encontrada em morcegos em Serra Leoa. É a primeira vez que a doença é detectada no hospedeiro antes de criar um surto.

A descoberta foi publicada nesta segunda-feira (27) na revista “Nature Microbiology”. O trabalho faz parte do projeto “PREDICT”, da Universidade da Califórnia e do Centro de Infecções e Imunidade da Universidade de Columbia, financiado pela Agência para o Desenvolvimento Internacional dos Estados Unidos.

O novo vírus do ebola, chamado de Bombali, tem potencial para infectar células humanas, mas os pesquisadores não sabem se alguma pessoa já foi de fato atingida pelo micro-organismo.

“Identificar novos vírus como o ebolavírus Bombali em animais selvagens e testar sua capacidade de infecção em humanos pode ajudar na nossa compreensão da diversidade viral que circula entre os animais”, disse Simon Anthony, virologista e professor da Universidade de Columbia.

“Queremos descobrir se os vírus tem pré-requisitos genéticos para infecção humana e, em seguida, priorizar mais estudos e intervenções”.

Agentes de saúde trabalham para o controle do ebola no Congo; novos casos preocupam OMS (Foto: Media Coulibaly/Reuters)Agentes de saúde trabalham para o controle do ebola no Congo; novos casos preocupam OMS (Foto: Media Coulibaly/Reuters)

Agentes de saúde trabalham para o controle do ebola no Congo; novos casos preocupam OMS (Foto: Media Coulibaly/Reuters)

Até então, cinco espécies do ebola já haviam sido descobertas pelas cientistas. O vírus Bombali é diferente do Zaire, que matou milhares de pessoas entre 2013 e 2016 na África. A descoberta desse novo tipo da doença é a maior e melhor evidência de que os morcegos são hospedeiros do vírus.

“Se você quiser prevenir novos surtos do ebola é importante saber quais são os hospedeiros e como podemos elimar o vírus”, disse Tracey Goldstein, da Universidade da Califórnia.

“Então, podemos ajudar a direcionar as mudanças de comportamento para proteger as pessoas, objetivo principal do nosso trabalho”.

IMPRIMIR