Após 32 horas preso em uma cisterna de um sítio em Igarapé, na região metropolitana de Belo Horizonte, o drama do cisterneiro José Francisco da Silva, de 63 anos chegou ao fim. Segundo o Corpo de Bombeiros, Silva estava consciente quando saiu da sisterna e não apresentava ferimentos graves. De acordo com os bombeiros, ele foi levado de helicóptero para o Hospital de Pronto Socorro João XXIII, em Belo Horizonte.
O acidente aconteceu por volta das 10h dessa segunda-feira quando Silva tentava ampliar a cisterna. No momento em que ele quebrava uma pedra no fundo poço, as manilhas de sustentação se deslocaram e as duas primeiras manilhas de cima para baixo caíram sobre o ele. De acordo com o Corpo de bombeiros, Silva havia ficado preso por uma pedra de duas toneladas que caiu sobre os seus pés. Pelo menos 35 bombeiros participaram do resgate.
Não bastasse a angústia pela espera do resgate do pai, a filha dele, de 18 anos, foi alvo da covardia de bandidos. Enquanto aguardava por notícias de José Francisco da Silva, a mulher teve a casa assaltada, no bairro São Francisco em Igarapé. Segundo o companheiro dela, o caseiro Ronan Alves Oliveira, de 22 anos, do local foram levadas uma televisão, uma máquina digital, uma prancha de cabelo e até mesmo roupas do bebê do casal, uma menina de apenas 2 meses. A polícia foi acionada, mas nenhum suspeito foi preso.
O caseiro contou que descobriu o crime, por volta das 14 h, quando foi em casa buscar fraldas para a filha dele. A gente não sabe o que pensar neste momento. A cabeça está daquele jeito e a gente não sabe o que fazer, lamentou Oliveira. Ele disse que passou a noite no sítio, onde o sogro está preso na cisterna, juntamente com a mulher e que no início da manhã tinha passado em casa, mas que estava tudo normal. Ele acredita que o assalto tenha acontecido entre 9h e 14h período que o imóvel ficou sozinho.

print
Comentários