De todas as classes sociais brasileiras, a única que gasta mais do que ganha é a C. Em estudo sobre consumo realizado pela consultoria Kantar Worldpanel, o segmento aparece com déficit de 2% na relação entre renda e gasto. Tanto a classe AB quanto a DE ficaram com saldo positivo nesta análise, de 1% e 4% respectivamente. Praticamente todo mundo está gastando o que ganha, porque esses 4% da classe DE significam muito pouco, avalia a diretora comercial da instituição no Brasil, Christine Pereira.
De acordo com Christine, a classe C representa 41% da população brasileira, e seu endividamento colabora para a recente desaceleração do consumo. A Kantar Worldpanel considera para o estudo que a classe C ganha em média R$ 2.027,70 (renda familiar) e gasta R$ 2.060,12. Nos últimos dois anos, o segmento diminuiu o número de visitas mensais a pontos de venda de varejo tradicional em duas vezes, de 13 para 11 visitas no mês.
Despesas como educação e vestuário, classificadas como outras despesas, respondem pela maior parte dos gastos da classe C (38%). Na sequência, aparecem despesas fixas, como habitação, transporte e serviços públicos (33%), seguida por uma cesta de bens de consumo não duráveis definida pela entidade (28%).
O estudo analisou ainda a penetração de 120 categorias e subcategorias de produtos nas classes sociais. A classe C já conquistou 46% das categorias, está em processo de conquista de 31% e ainda precisa conquistar 23%. O estudo considera como consolidada a conquista quando a categoria de produto tem 50% de penetração nos domicílios. Nesse caso, a análise foi feita entre julho de 2011 e junho de 2012.
Em uma lista reduzida de 25 categorias, a classe C tem defasagem no consumo de dez itens: TV cabo e ou satélite, CD laser, aspirador de pó, ar condicionado, câmera digital, congelador/ freezer, câmera de vídeo/filmadora, home theater, secadora de roupas e lava louça. A classe AB não conquistou os quatro últimos itens listados.

print
Comentários